Política e memória dão tom à Parada LGBT em SP neste domingo

Protestos contra Bolsonaro e os 50 anos de revolta gay em NY marcam presença

Dhiego Maia
São Paulo

A primeira vez que a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo exigiu a criminalização da homofobia foi em 2006. Naquele ano, as milhares de pessoas que tomaram a avenida Paulista foram guiadas pelo tema: “Homofobia é Crime! Direitos Sexuais são Direitos Humanos”.

A mesma reivindicação encabeçou outras sete edições seguidas do maior evento do gênero no mundo. Só agora um dos maiores pleitos LGBT foi atendido: a homofobia e a transfobia entraram no rol dos crimes de racismo após decisão do STF (Supremo Tribunal Federal).

“Os temas da Parada refletem uma situação que está em andamento e mostram que o nível político da comunidade cresceu muito. Não é possível dimensionar os avanços que tudo isso representa”, afirma João Silvério Trevisan, escritor, cineasta e ativista LGBT.

A Parada deste ano chega à 23ª edição neste domingo (23) debaixo de outro desafio: manter o que já foi conquistado pela comunidade formada por lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.

É a primeira vez que o evento é realizado sob o governo de Jair Bolsonaro (PSL). O presidente tem várias declarações consideradas homofóbicas. Em uma delas, já no cargo, chegou a dizer que não queria que o Brasil fosse conhecido como um país de gays.

É por isso que Bolsonaro deve ser alvo de protestos em atos paralelos à Parada. No bloco “LGBTs contra Bolsonaro”, 2.400 pessoas tinham confirmado participação pelas redes sociais. “No momento de retirada de direitos, retrocesso e fortalecimento do conservadorismo e do reacionarismo, estamos lutando e não estamos derrotados”, diz manifesto do movimento.

A drag Tchaka participa de feira cultural na antevéspera da Parada do Orgulho LGBT em SP
A drag Tchaka participa de feira cultural na antevéspera da Parada do Orgulho LGBT em SP - Ariadne Barroso/Photopress/Folhapress

Será com música, muito glitter e fantasia que os participantes do evento vão revisitar a revolta de Stonewall, tema desta edição.

Ela aconteceu há 50 anos quando LGBTs de Nova York puseram fim às agressões que sofriam em batidas policiais realizadas num bar da cidade, o Stonewall Inn.

O grupo resistiu por três dias em 1969, numa época em que se relacionar com pessoas do mesmo sexo era ilegal em todos os estados americanos.

O movimento estimulou uma marcha sem volta de LGBTs por mais igualdade de direitos em várias partes do mundo.

De acordo com Cláudia Regina dos Santos Garcia, presidente da APOGLBT (entidade que organiza a Parada), relembrar Stonewall é urgente.

“O tema calhou muito com as tentativas de retrocesso pelas quais o Brasil está vivenciando hoje. A nossa ideia é mostrar para o LGBT que começou a militar agora que a luta é na rua, com todos juntos”, diz Garcia.

Sobre os atos paralelos que devem ocorrer contra Bolsonaro, a organizadora da Parada diz que o chão é livre.

“No ano passado, os participantes pediram a libertação do ex-presidente Lula. A associação não tem um posicionamento único e fechado sobre o atual governo. Somos contra o retrocesso e se isso representa o Bolsonaro...”.

Esta edição vai mergulhar na história recente de luta dos LGBTs no Brasil a partir de Stonewall.

Fotos históricas, como as que mostram travestis sendo presas por militares na Ditadura Militar (1964-1985) e das primeiras edições da passeata paulistana, serão ampliadas e exibidas em cada um dos 19 trios elétricos previstos.

“Queremos mostrar para todo mundo que temos uma história de luta e muito ainda a conquistar”, afirma a representante.

SERVIÇO: HORÁRIOS E ATRAÇÕES

A concentração da Parada será no vão-livre do Masp, na avenida Paulista, por volta das 10h. O desfile de trios está previsto para começar ao meio-dia. Porém, os longos discursos de abertura, entre eles, o do prefeito Bruno Covas (PSDB), deverão causar atrasos.

Os trios serão comandados por shows de artistas como Iza, Mc Pocahontas, Luísa Sonza, Fantine, Lexa e da drag queen Gloria Groove, entre outras. Também está confirmada a participação de Melanie C., integrante do grupo britânico Spice Girls.

Da Paulista, os trios seguirão pela Consolação até a região da República (centro), onde será montado um palco para um show de encerramento do evento. 

A gestão Bruno Covas investiu R$ 1,8 milhão para colocar a Parada na rua, um dos principais eventos do ano para o turismo em São Paulo. A verba cobre a infraestrutura do evento. Serão empregados ao menos 60 viaturas e 300 agentes da Guarda Civil Metropolitana, 540 seguranças privados e mais 80 bombeiros.

O ativista João Trevisan comemora 75 anos neste domingo. Pediu de presente uma Parada LGBT típica: “aquela que celebra o amor”. “Para além de uma passeata política, lutamos pelo direito de amar”, diz ele, que não irá à festa porque se recupera de uma cirurgia.


Desafios e conquistas dos LGBTS nos últimos 50 anos

A partir dos anos 1950
Surgem as divas trans que se tornam grandes estrelas no Brasil e na Europa, como Rogéria, Jane di Castro, Eloína e Fujika, entre outras

1978
Início do movimento pelos direitos LGBT no Brasil. É fundado, no Rio de Janeiro, o jornal Lampião na Esquina, voltado para as questões da comunidade. Em São Paulo, surge o Somos

1982
Ocorre a famosa passeata contra o delegado José Wilson Richetti, que realizava batidas policiais no centro de São Paulo contra travestis, gays e prostitutas sobre o pretexto de moralização social

Anos 1980 e 1990
Anos de pânico: o HIV chega ao Brasil e faz estrago conhecido como “peste gay”. Na Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo é organizado o primeiro núcleo de luta anti-Aids. Morrem Darcy Penteado, Caio Fernando Abreu e Cazuza por complicações da doença

1985
O Conselho Federal de Medicina retira a homossexualidade de sua lista de doenças

1992
No Piauí, Kátia Tapeti é eleita a primeira vereadora trans na história da política brasileira

1995
As primeiras Paradas do Orgulho LGBT são realizadas em Curitiba e no Rio

1997
A cidade de São Paulo sedia sua primeira Parada LGBT. Em 2006, a passeata paulistana entra para o Guinness Book como o maior evento do gênero

2001
O governo de São Paulo promulga a lei 10.948 que penaliza práticas discriminatórias em razão da orientação sexual e identidade de gênero

2002
O processo de redesignação sexual, a chamada cirurgia de “mudança de sexo” 
do fenótipo masculino para o feminino é autorizada pelo Conselho Federal de Medicina. Em 2008, passa a ser oferecida pelo SUS (Sistema Único de Saúde)

2011
STF (Supremo Tribunal Federal) reconhece a união homoafetiva, um marco na luta pelos direitos LGBT

2018
STF decide que transexuais e transgêneros podem mudar seus nomes de registro civil sem necessidade de cirurgia

2019
STF enquadra a homofobia e a transfobia na lei de crimes de racismo até que o Congresso crie legislação própria sobre o tema

Fonte: Livro Devassos no Paraíso - João Silvério Trevisan. Editora OBJETIVA

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.