Adolescente é despido, amordaçado e chicoteado por furtar chocolate

Seguranças de supermercado na zona sul de SP são investigados sob suspeita de tortura

Dhiego Maia
São Paulo

De um lado, sacos de cebola. De outro, caixas de melancias, verduras e legumes. E no centro do cubículo: um adolescente negro, amordaçado e nu.

Em cárcere privado, a vítima de 17 anos é colocada nessa posição para uma sessão de tortura. A cena lembra uma mancha ainda viva na história do Brasil que se fez nação com todo tipo de abuso praticado contra a população africana.

Fachada da unidade da rede Ricoy, onde adolescente foi torturado na zona sul de SP
Fachada da unidade da rede Ricoy, onde adolescente foi torturado na zona sul de SP - Reprodução/Google Street View

Um vídeo de 40 segundos mostra as agressões. O adolescente é chicoteado nas costas e se contorce de dor a cada novo golpe recebido.

Na terceira chibatada desferida, um dos agressores ri e manda a vítima se virar. "Não quebrou nada", diz numa referência ao fato de o espancamento não ter causado dano à estrutura óssea da vítima.

A sessão de tortura avança, e um dos agressores avisa. “Vai tomar mais uma [chibatada] para a gente não te matar. Você vai voltar?”

O espancamento ocorreu numa manhã do mês de agosto dentro de uma unidade da rede de supermercados Ricoy, na zona sul da capital paulista. O vídeo da sessão de tortura parou nas redes sociais e forçou a polícia a abrir um inquérito nesta segunda-feira (2) —um mês depois do ocorrido.

O adolescente foi torturado por dois seguranças nos fundos do supermercado, localizado na avenida Yervant Kissajikian, na Vila Joaniza.

Em nota, o supermercado se disse chocado com o fato e afirmou que os seguranças, funcionários de uma empresa terceirizada, não mais prestam serviço ao supermercado.

No boletim que relata a ocorrência, o adolescente diz que foi chicoteado porque furtou barras de chocolates do estabelecimento.

Assim que deixou a loja, a vítima afirma ter sido abordada por Santos, um dos seguranças. Ambos já se conheciam, segundo a polícia.

Ameaçado, o adolescente foi levado por Santos e mais um segundo segurança do supermercado, conhecido como Neto, para um cômodo usado como depósito de mercadorias.

O adolescente diz que permaneceu ali por cerca de 40 minutos e que foi agredido o tempo todo. “Depois de apanhar bastante, foi liberado pelos agressores e não quis registrar boletim de ocorrência pois temia pela sua vida”, diz a polícia.

O adolescente afirma que ouviu Santos dizer que se ele o denunciasse iria matá-lo. “Quero Justiça contra isso, eles fizeram maldade. Quero pôr eles dentro das grades”, disse a vítima em entrevista à TV Globo.

Desde os 12 anos morando nas ruas, o adolescente foi apreendido uma vez após invadir uma residência. Pelo crime, cumpriu medida socioeducativa na Fundação Casa, órgão da gestão de João Doria (PSDB) que busca ressocializar jovens em conflito com a lei.

O delegado Pedro Luis de Sousa, titular do 80º DP (Vila Joaniza), afirmou que vai indiciar os seguranças do supermercado pelo crime de tortura. Ele acrescentou que dois suspeitos, de 37 e 49 anos, foram identificados e terão de prestar depoimento nesta quarta-feira (4). 

“Este foi um crime covarde, extremamente violento, inominável. Eu francamente não consegui ver o vídeo todo [até o final]. Isso é uma barbaridade, uma violência incomensurável”, avaliou o policial.

Sousa disse ainda que o vazamento do vídeo seria “um recado” para eventuais praticantes de furtos no mercado. “Eles agrediram a vítima simplesmente com finalidade de a torturar, impingindo medo à comunidade. Eles [seguranças] queriam dar um recado de que ali [mercado] ninguém iria mais fazer este tipo de crime.”

Sousa acrescentou que também vai ouvir os gerentes do estabelecimento, assim como o dono do local, para saber se houve conivência de outros funcionários com a violência sofrida pelo adolescente. A polícia também quer saber quais os procedimentos tomados pela segurança do local, em caso de flagrantes, como chamar a PM ou levar suspeitos para a delegacia. 

Para Ariel de Castro Alves, integrante do Condepe (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana), existem indícios contundentes de crime de tortura. "A filmagem mostra que eles queriam exaltar os atos bárbaros e cruéis que praticaram. Tem até um certo sadismo”, disse.

A tortura é um crime hediondo e ocorre quando alguém é submetido, com emprego de violência ou grave ameaça, a intenso sofrimento físico ou mental. A lei 9.455, de 1997, prevê penas de 2 a 8 anos aos acusados.

O adolescente será submetido a exames de corpo de delito nesta terça-feira (3). O Conselho Tutelar de Cidade Ademar (zona sul) também acompanha o caso e vai buscar assistência psicológica à vítima.

"Como conselheiro do Condepe, estarei acompanhando as investigações e cobrando a punição dos responsáveis por esses atos bárbaros e cruéis de tortura", afirmou o conselheiro.

A Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, da gestão Bruno Covas (PSDB), também diz lamentar "a ocorrência de fatos que ferem a dignidade humana e demonstram a intolerância da nossa sociedade com pessoas que deveriam receber atendimento civilizatório e adequado."

OUTRO LADO

A rede Ricoy informou que os seguranças eram funcionários de empresa terceirizada que não mais presta serviços ao supermercado. 

"Ficamos chocados com o conteúdo de uma tortura gratuita e sem sentido em cima do adolescente", disse o grupo em nota. "O Ricoy desde sua fundação na década de 1970 exerce os princípios mais rígidos de valorização do ser humano, seja em nossas lojas ou em nossa comunidade. Ficamos muito abalados com a notícia que nos causou repulsa imediata."

A rede afirma ainda que um funcionário prestou depoimento à polícia sobre o caso e que disponibilizou uma assistente social para conversar com a vítima e com sua família.

A rede não informou o dia exato em que a tortura ocorreu ou que medidas adotará para evitar novos casos.

Os autores do crime, segundo a secretaria de Segurança Pública, foram identificados após análise das imagens de câmeras de segurança. A dupla ainda não se apresentou à polícia. A Folha procurou, mas não localizou a defesa dos suspeitos.

O inquérito policial instaurado no 80º DP (Vila Joaniza) também vai colher o depoimento de outros funcionários do estabelecimento.

Com 50 lojas, a rede Ricoy foi criada na década de 1970 e se espalhou pelos extremos das zonas leste e sul de São Paulo.

Colaborou Alfredo Henrique

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.