Homem é preso suspeito de matar mulher após oferecer ajuda para trocar pneu

Corpo da universitária Mariana Forti Bazza, 19, foi encontrado nesta quarta em Ibitinga (SP)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Uma universitária de 19 anos foi encontrada morta nesta quarta (25) na cidade de Bariri, no interior de São Paulo. Mariana Forti Bazza era estudante de fisioterapia e estava desaparecida desde a manhã do dia anterior, quando aceitou a ajuda de um homem para trocar o pneu furado do seu carro. 

O suspeito do crime, o pintor Rodrigo Pereira Alves, 37 anos, está preso. 

O carro de Mariana estava estacionado em frente à academia que frequentava. Por volta das 8h30, ela saiu e notou que o pneu estava arriado. O pintor ofereceu ajuda e a conduziu até uma chácara em frente sob a promessa de resolver o problema. 

Mariana chegou a tirar uma foto do homem realizando o conserto e enviou para familiares, que não conseguiram mais contato com a universitária depois disso. O suspeito fugiu do local cerca de uma hora depois. 

Alves preso em flagrante na cidade de Itápolis, a cerca de 60 km de Bariri, escondido no telhado de uma casa. A polícia apreendeu uma faca no carro. 

Mariana Forti Bazza, 19, era estudante de fisioterapia
Mariana Forti Bazza, 19, era estudante de fisioterapia - Reprodução/Facebook

O suspeito foi ouvido pela polícia e revelou o lugar onde estava o corpo, perto de uma estrada no município de Ibitinga. Ela estava com as mãos amarradas para trás, um tecido no pescoço e vendas nos olhos. Ainda não se sabe se a jovem foi vítima de violência sexual. A suspeita é de que a morte tenha sido por asfixia. 

A polícia não descarta a possibilidade de que o crime tenha sido premeditado, já que ele havia começado a trabalhar na chácara havia poucos dias, diz o chefe dos investigadores da Delegacia de Bariri, José Dadalto. Ele havia saído da prisão havia cerca de 40 dias e tem antecedentes por estupro e outros crimes.

Testemunhas já foram ouvidas e imagens de câmeras de segurança solicitadas. A polícia irá analisar as imagens e aguarda o resultados dos laudos para determinar a causa da morte. A linha de investigação é de latrocínio (roubo seguido de morte). 

Nas redes sociais, amigos e familiares de Mariana, que haviam se envolvido em buscas pela jovem, lamentaram a morte. “Minha menina virou um anjo lá no céu, olhando por nós que aqui ficamos com o coração despedaçado. Que Deus possa amenizar nossa dor”, escreveu uma parente. 

A universidade em que a mulher estudava também se manifestou. “Infelizmente, um sonho, um futuro, uma mente, um coração jovem foi perdido!”, escreveram. Realizaram uma missa em homenagem a Mariana na tarde quarta, no campus. 
 

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.