Descrição de chapéu Obituário Antonio Sapucaia da Silva (1938 - 2019)

Mortes: Desembargador, adotou a justiça como princípio de vida

Além da carreira jurídica, Antonio Sapucaia da Silva foi jornalista e escritor

Patrícia Pasquini
São Paulo

A frase “tem juiz que não sabe diferenciar um despacho judicial de um despacho de macumba”, dita durante discurso de posse do cargo de desembargador do Tribunal de Justiça de Alagoas”, em 2003, define corretamente a personalidade de Antonio Sapucaia da Silva, segundo a opinião do filho, o engenheiro mecânico Antonio Sapucaia da Silva Júnior, 54 anos.

“Meu pai sempre foi muito reservado, introspectivo, não gostava de ostentar, mas tinha um lado, de certa forma, brincalhão.” De acordo com o filho, em meio aos comentários, soltava algumas frases de efeito, e esta ficou marcada em sua história.

Silva nasceu em Murici (AL), mas foi registrado em Rio Largo e adotou Pilar como sua cidade, porque mudou-se para lá ainda criança. O seu ídolo, o escritor Arthur Ramos, era pilarense.

Desembargador Antonio Sapucaia da Silva
Desembargador Antonio Sapucaia da Silva - Arquivo pessoal

O primeiro emprego foi na Mesbla, como auxiliar de escritório. Entrou para a magistratura em 1971 e atuou nas comarcas de Água Branca, Colônia Leopoldina, Atalaia, Viçosa e Maceió.

Ele foi desembargador durante quatro anos e depois, em 2007, assumiu a presidência do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas. 

Aposentou-se do judiciário no ano seguinte e aceitou convite para dirigir o Detran de Alagoas, onde ficou por 18 meses.

Era apaixonado pelo jornalismo, além de pela justiça. Foi repórter, redator, cronista e secretário de redação da Gazeta de Alagoas. Também escreveu alguns livros jurídicos.

Nas horas vagas, tinha a televisão e os livros como companheiros. 

Antonio Sapucaia da Silva morreu no dia 3 de outubro, aos 81, de infarto. Deixa esposa, um filho e um neto.

coluna.obituario@grupofolha.com.br
 
Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.