Descrição de chapéu Folha Verão

Barcos viram opção para se hospedar no litoral norte de SP

Há diárias de R$ 160 em Ubatuba e R$ 200 em Paraty; piloto deve ter licença

Reginaldo Pupo
Ubatuba (SP)

Hospedar-se em um hotel de luxo na praia, com café da manhã e vista para o mar, é para poucos. Pacotes para os cinco dias de Carnaval nas cidades do litoral norte de São Paulo variavam de R$ 2.500 a R$ 12 mil, dependendo da categoria do hotel.

Turistas na região, porém, agora têm a alternativa de alugar barcos para se hospedarem com conforto semelhante ao de hotéis de luxo. Há opções com suítes espaçosas, camas de casal e de solteiro, salas de estar, banheiros e, dependendo do porte da embarcação, piscina e tobogãs.

De olho nesse nicho, empresas e donos de barcos oferecem veleiros, catamarãs, lanchas e iates como forma de amenizar o alto custo de manutenção —apenas para deixar um barco parado em uma marina pode ser necessário pagar até R$ 30 mil mensais.

A procura vem aumentando desde o final de 2019, afirmam empresas que realizam esse tipo de locação. 

O serviço de barco-hotel aparece em anúncios de sites de locações de casas. A oferta pode ser atrativa em um país de 7.367 km e costa e 35 mil km de vias internas navegáveis, segundo o Ministério do Turismo.

De acordo com a empresa Angatu, de Ubatuba, é possível alugar um veleiro de médio porte por valores entre R$ 160 a R$ 190 a diária, por casal, sem incluir passeio. 

Nesse caso, a embarcação fica ancorada na enseada da praia do Itaguá, na região central. A vantagem é a privacidade, já que apenas os hóspedes permanecem no barco. Caso os turistas queiram sair para terra, basta acionar o serviço de táxi-boat disponibilizado pela embarcação.

“Se os hóspedes optarem pela hospedagem com passeio e pernoite, um comandante é acionado para conduzir os turistas a algumas praias e ilhas da região”, diz Pamela Jaque, da Angatu, responsável pelo veleiro Keewi, de 9,44 metros de comprimento.

A diária, porém, salta para R$ 900. A quantidade de hóspedes depende do tamanho da embarcação, mas, no caso do veleiro da Angatu, o máximo permitido são seis.

Veleiro Keewi
Veleiro Keewi, enseada da praia do Itaguá, Ubatuba, - Divulgação

Segundo Jaque, os veleiros desse porte costumam ter até duas cabines fechadas, mais as camas de solteiro que ficam no salão e o banheiro. Algumas dessas embarcações possuem suítes.

Os hóspedes também podem fazer aulas de iatismo e conhecer a parte técnica para colocar o veleiro em movimento. Os valores variam entre R$ 1.050 a R$ 1.500 por pessoa com pernoite.

“É necessário ter um conhecimento bem mais amplo sobre a estrutura do veleiro, principalmente para quem navega no mar, como motor, baterias e equipamentos de navegação, como GPS, bússola, carta náutica, rádio, entre outros, além de noções de meteorologia”, afirma Jaque.

O advogado Haroldo Lorena, do Rio de Janeiro, alugou um barco para passar o Réveillon com sua família. Ele disse que investiu R$ 11 mil na experiência de cinco dias. Velejador há 35 anos —desde os 12—, afirma que já foi dono de barcos de oceano, mas, hoje, prefere apenas alugar.

“Alugando, o barco sempre está limpo, com tudo funcionando, e não tem aqueles custos fixos e aborrecimentos de ter uma embarcação onde você tem que pagar marina, pagar marinheiro, e toda hora quebra uma coisa —por mais novo que o barco seja, sempre tem alguma manutenção pra fazer.”

O engenheiro deixou o Rio e foi velejando até Angra dos Reis, onde passou todo o período na Ilha Grande, dormindo em lugares diferentes, e retornou à capital fluminense velejando. “Outra vantagem é que eu pude alugar o barco ‘bear boat’ (pelado), ou seja, sem ‘skipper’ (capitão), porque sou habilitado, tenho currículo náutico. Então foi uma experiência hiperpositiva.” 

O advogado alugou o barco de uma startup espanhola que possui 430 embarcações para locação na costa brasileira, sendo 65 delas localizadas no litoral norte paulista.

Segundo a Nautal, suas diárias em qualquer lugar do Brasil podem variar de R$ 900, para duas pessoas, a R$ 25 mil, para 50 hóspedes, conforme o tamanho da embarcação.

“O destino de um barco não deve ser ficar parado em um porto ou marina, e sim proporcionar experiências únicas. Além disso, os proprietários encontram uma alternativa aos altos custos relacionados à manutenção das embarcações”, diz Octavi Uyá, CEO da Nautal.

Se o turista não for habilitado para pilotar a embarcação, um piloto precisará estar a bordo tanto para conduzir o barco como para auxiliar com dicas de navegação e cuidar da parte técnica.

Erramos: o texto foi alterado

O Brasil tem 7.367 km de costa e não 7 km. O texto foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.