Descrição de chapéu Alalaô

Depoimento: Entendi a cachaça que é pular Carnaval de bloco

É a chance de estar no meio de todos, afirmar que neste Brasil horrível ainda convivem Brasis de alegria

Marcelo Starobinas
São Paulo

Segunda de Carnaval (24), 14h. Os sopros anunciavam: vem rolê bom aí. Uma fanfarra antifascista. Tomaram de assalto o largo de São Francisco. Os fodásticos dos Unidos do Swing. Desta vez, eu me preparei. Aluguei uma scooter para o Carnaval. Uma mãozinha no acelerador. A outra, erguida. Dançante. Deixei em casa minha cadeira manual. Aos 45, dei adeus às Paraolímpiadas de Carnavais passados.

Motorizado, espezinhei das ladeiras e buracos. Ignorei as avenidas de mijo que jorravam das paredes encharcadas. O timing foi crucial: cheguei ao bloco na concentração. Formaram-se as cordas. A pipoca cercou a banda de uns 15 músicos, artistas de perna de pau, cantoras e dançarinas. Os organizadores, vendo a dificuldade, convidaram a mim e a outra cadeirante a seguir nas cordas. 

A trupe percorreu os calçadões do centro antigo. Emendaram “When the Saints Go Marching In” com Tom e Vinicius, entremeando maracatus e drum’n’basses. Um Jazz de Carnaval. E então, entendi tudo. Compreendi a cachaça que é pular Carnaval de bloco.

Foliões fantasiados com chapéus e adereços dourados balançam as mãos e gritam durante o bloco
Foliões durante o bloco Unidos do Swing, que desfilou na segunda (24), no centro de São Paulo - Amanda Perobelli/Reuters

É a chance de estar no meio de todos, de todas as raças e gêneros, afirmar que neste Brasil horrível que estamos vendo no espelho ainda convivem Brasis de alegria, empatia, cordialidade, amor.

Não foi assim fácil desde o início. Na sexta (21), com minha namorada, dois sobrinhos e amigos, estacionei a scooter na Ipiranga com a São Luís para o Ilú Obá de Min. A massa compacta de foliões impedia-me de chegar ao cordão. 

Quando o bloco partiu e a massa avançou, assustei-me: fantasiados correndo, arrastões de pivetes levando celulares, gente gritando, empurra-empurra. Bateu aquela nóia: pronto, agora é a cena em que o aleijado é arremessado ao chão e pisoteado. Esmagado contra os guardrails. The end.

Dei sorte, sobrinhos e amigos armaram um cerco humano ao meu redor. Seguimos em paralelo ao carro de som até a Biblioteca Mário de Andrade, quando respirei aliviado.

Nos dias seguintes, peregrinei por blocos evitando grandes muvucas e encontrando a farra às margens dos bloquinhos. Mas foi dentro das cordas dos Unidos do Swing que mergulhei no Carnaval. 

Foi ali também que encontrei a resposta para um dilema ético: é certo, é moral, sair pra pular Carnaval quando não temos nada o que festejar? 

O que as ruas me devolveram foi o seguinte: é necessário. Cada um precisa se preencher de forças a cada chance que nos for dada para reafirmar a convicção de que este país não é só o que há de horrível nele. O Brasil também é aquilo que há de bom. Como o Carnaval de São Paulo.

Marcelo Starobinas é jornalista, roteirista e coautor de “Carcereiros”, “Pico da Neblina” e “Jean Charles”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.