Policiais rodoviários venderam escolta para contrabando de cigarro paraguaio

Suspeita é que quadrilha de 300 agentes recebesse para garantir passagem dos caminhões

São Paulo

Um grupo de policiais militares de São Paulo é suspeito de comandar um esquema de venda ilegal de escoltas que garantia livre acesso de contrabandistas de cigarros do Paraguai por rodovias do estado. 

Segundo denúncia apresentada pelo Ministério Público, estima-se que o esquema criminoso possa envolver cerca de 300 policiais, incluindo agentes rodoviários de outros estados e, também, da Polícia Rodoviária Federal.

Entre os serviços vendidos pelos PMs está a escolta com batedores. Os policiais seguiam à frente dos comboios de caminhões carregados com cigarros para avisar ao bando sobre a eventual presença de patrulhas rodoviárias pelo caminho e aliciar os colegas interessados em participar do esquema para fazer vistas grossas, afirma a denúncia.

Ainda de acordo com a investigação que culminou na denúncia, outros integrantes da ação repassavam informações sobre a posição das equipes do tático rodoviário, conhecidas como TOR, que ofereciam mais risco de abordagem aos contrabandistas. 

Os policiais honestos chegaram a esconder nas unidades de policiamento as escalas de serviço do TOR para evitar o sucesso do esquema.

Parte da quadrilha foi descoberta em investigação do comando do batalhão rodoviário da região de Bauru (2º BPRv) iniciada em outubro de 2017 e concluída no final do ano passado com a prisão de seis PMs que trabalhavam nas regiões de fronteira do estado. As ações tiveram apoio da Corregedoria da PM de São Paulo.

As prisões aconteceram após uma série de interceptações telefônicas nas quais os policiais suspeitos trocavam informações sobre o crime. 

Durante a apuração, também houve quebra de sigilo fiscal e bancário dos policiais suspeitos e de familiares, o que possibilitou mapear o dinheiro obtido pelo bando.

No processo que corre pela 1ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar de São Paulo, dois deles confessaram o crime, um em troca de delação premiada. Um deles é o sargento Hamilton Cardoso de Almeida, considerado um dos chefes do esquema. 

Como surgiram novos nomes, entre eles de oficiais comandantes de companhias (divisões de policiamento), um novo inquérito deve ser aberto para a identificação e punição do restante do grupo. 

Parte do processo deve ser compartilhada com a Polícia Federal, que também investiga o esquema de contrabando ligado aos PMs paulistas.

Pessoas ligadas à investigação disseram à Folha que o esquema de corrupção pode ser o maior já flagrado na Polícia Rodoviária de São Paulo. 

O juiz responsável, Ronaldo João Roth, é o mesmo que já condenou 42 policiais militares envolvidos com o PCC e, também, o ex-tenente coronel da PM José Afonso Adriano Filho, que recebeu pena de cerca de 50 anos por fraudar licitações no comando da PM.

De acordo com depoimento dos delatores, os policiais ganhavam um valor fixo de R$ 5.000, mais comissões. Um dos apontados como chefe do esquema chegou a receber R$ 50 mil mais de uma vez.

As comissões, que ficavam entre R$ 1.500 e R$ 2.000, eram pagas após episódios de facilitação da passagem dos caminhões, mostra a investigação. 

Além de comprar o silêncio de outros policiais que faziam guarda nas rodovias, os PMs criminosos também usavam a central de operações da polícia para guiar os caminhões sem passar pelas viaturas, aponta a denúncia. 

De acordo com depoimento dos delatores, cada carreta vinha com produtos avaliados em R$ 800 mil, o equivalente a cerca de meio milhão de maços de cigarro

A rota do Paraguai até São Paulo incluía os estados do Paraná e Mato Grosso do Sul. Um dos envolvidos no esquema afirmou que em média quatro carretas passavam por ela a cada semana. 

Por aplicativo de troca de mensagem, os policiais tinham um código para descrever os crimes. Pulo, por exemplo, se referia aos caminhões que passavam sem ser fiscalizados. Papel era a propina recebida; e patrões, os contrabandistas. As mensagens eram escritas e, depois, rapidamente apagadas.

O sargento Hamilton admitiu ser o responsável por receber o dinheiro dos contrabandistas, na maioria das vezes em espécie, e distribuir. 

Ele alegou haver mais de cem policiais envolvidos, mas pessoas ligadas a investigação afirmam, com base em outros depoimentos, que o número pode chegar a 300 policiais. 

Em diálogos interceptados, Hamilton afirmou que se sentia pressionado pelos demais policiais quando os trabalhos ilegais não apareciam. "Tô muito nervoso, muita gente me cobrando", disse em uma conversa. Em outra, disse que um PM iria à sua casa pegar R$ 5.000. Outro policial teria dito a ele sobre a propina: "Você vai salvar meu couro". 

De acordo com as investigações, Hamilton chegou a ir ao Paraguai se reunir com os contrabandistas a fim de fechar acordo para outros policiais. 

O policial afirmou também que tem "policial rodoviário, federal e civil envolvido". 

PMs depondo no TJM sobre esquema de contrabando
Audiência de suspeito de integrarem quadrilha realizada na 1º auditoria do TJM de São Paulo - Rogério Pagnan/Folhapress

O sargento alegou não ser o coordenador dos outros policiais e declarou que havia outros acima dele, como, por exemplo, um policial que atuava na área da logística e "sabia quantos caminhões passavam e quais passavam". 

Em seu depoimento, o sargento Hamilton afirmou ainda que foi chamado para participar do esquema por outro sargento, que já morreu. 

Segundo as investigações, uma parte do trabalho era corromper outros policiais para que aderissem ao bando. 

Procurada, a Polícia Rodoviária Federal afirmou que vai se manifestar apenas após ter acesso ao processo e conhecer o teor da investigação.

A Polícia Militar de São Paulo, por sua vez, afirmou que investiga "desde o fim de 2017, o envolvimento de policiais em esquema criminoso para o contrabando de cigarros". A corporação afirmou ainda que o trabalho de apuração foi compartilhado com o Ministério Público. 

"O possível envolvimento de outras pessoas no esquema também é objeto de análise pela corporação", diz a nota. 

A corporação afirma ainda ser uma "instituição legalista e não compactua com qualquer desvio de conduta de seus agentes, sendo implacável na investigação e responsabilização daqueles que deveriam estar ao lado da lei". 

A defesa do sargento encaminhou nota à Folha afirmando que ele colabora com as autoridades. Veja a íntegra:

Tendo em vista a reportagem divulgada pelo Jornal Folha de São Paulo a respeito do envolvimento da Polícia Militar do Estado de São Paulo no contrabando de cigarros do Paraguai, a equipe de defesa de H.C.A. informa que o cliente está colaborando com a justiça.

Esclarecemos que o mesmo não é o único responsável por toda a operação e não realizava a chefia dos outros policiais do esquema. Para contribuição total com o caso, o cliente apresentou outros nomes envolvidos incluíndo militares inativos, de patentes acima a dele e também das áreas civil e rodoviária.

Seguimos ressaltando a cooperação com a investigação em andamento no Ministério Público e em defesa do que é cabível ao cliente H.C.A..

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.