Descrição de chapéu Obituário Fernando Murilo de Lima e Silva (1947 - 2020)

Mortes: Tornou-se herói ao impedir atentado no Palácio do Planalto

Fernando Murilo de Lima e Silva pilotou um Boeing 737 durante um sequestro e evitou uma tragédia

São Paulo

O comandante Fernando Murilo de Lima e Silva foi um excelente piloto de aeronaves e da própria vida.

Viveu de forma leve, em respeito à sua natureza e suas convicções. Desapegado, valorizava a família, ética e lealdade.

A esposa, a dona de casa Patricia Maciel, 56, lembra do marido como um piadista, brincalhão e carismático. “O Fernando colocava apelido em todo mundo. As pessoas eram apaixonadas por ele”, conta.

Fernando Murilo Lima e Silva (1947-2020)
Fernando Murilo Lima e Silva (1947-2020) - Arquivo pessoal

Ambos se conheceram no trabalho —Patrícia era comissária de bordo— e o casamento ocorreu após três meses de namoro.

Nascido no Rio de Janeiro, Fernando prestou concurso e tornou-se cadete da Força Aérea Brasileira, mas não quis continuar a carreira militar. Optou por ser piloto civil.

Em 1988, Fernando tornou-se um herói brasileiro após pilotar um Boeing 737 durante um sequestro e evitar uma tragédia.

Na ocasião, mais de 100 pessoas estavam a bordo. A intenção do sequestrador Raimundo Nonato Alves da Conceição era atingir o Palácio do Planalto e matar o então presidente da República, José Sarney.

Fernando executou duas manobras arriscadas e sem combustível pousou no aeroporto de Goiânia.

O copiloto Salvador Evangelista foi morto com um tiro na nuca após tentativa de contato com o controle de tráfego aéreo. Dois tripulantes também foram baleados.

Na época, José Sarney não lhe agradeceu, mas Fernando foi condecorado com a Ordem do Mérito Aeronáutico e em 2001 recebeu o troféu Destaque Aeronauta, do Sindicato Nacional dos Aeronautas.

O fato, que foi parar no livro “Caixa Preta: O relato de três desastres aéreos brasileiros”, de Ivan Sant’Anna, deve chegar às telas do cinema. Era um sonho de Fernando ver a sua história virar filme.

Fernando viveu seus últimos dias em casa, em Búzios, no Rio de Janeiro, onde sempre sonhou morar.

Gostava de pescar e cozinhar suas especialidades, como peixes, moquecas, frutos do mar e comida árabe.

Fernando Murilo de Lima e Silva morreu dia 26 de agosto, aos 72 anos, de septicemia. Deixa a esposa, dois filhos, dois irmãos e sobrinhos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.