Descrição de chapéu Obituário Aimée Grecco (1959 - 2021)

Mortes: Tocava Debussy e chamava todos de 'meu amor'

Aimée Grecco gostava de produzir saraus e bazares beneficentes

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Aimée Grecco costumava dirigir a seus interlocutores a forma de tratamento “meu amor”. A psicóloga, que morreu no último dia 16, aos 62 anos, por insuficiência respiratória e após uma luta de nove anos contra um câncer que se iniciou no ovário, dedicou sua vida a seus pacientes e a trabalhos voluntários voltados a populações pobres ou em situação de risco.

“Minha irmã era a generosidade em pessoa. Promover festas, encontros, almoços e bazares beneficentes era tudo o que mais gostava”, diz Dante Grecco, seu único irmão. Além de manter consultório próprio, atuou em instituições como o Familie, que não tem fins lucrativos, e também a um grupo religioso, da Igreja Batista, que destinava tratamento e terapia a refugiados de diversos países residentes no Brasil.

A psicóloga Aimée Grecco
A psicóloga Aimée Grecco - Reprodução

"Ela não tinha religião, gostava muito do budismo e tinha devoção por Cosme e Damião”, diz o amigo Paulo Brito, em referência a devoção dela aos santos reconhecidos pelo catolicismo e pela umbanda e cujas trajetórias são marcadas pelo exercício da medicina filantrópica.

Como psicóloga, estudava a linha analítica de Carl Gustav Jung, e muitos dos pacientes que atendia eram crianças. Fazia parte da terapia ensiná-las a cozinhas e cuidar das plantas. Morava sozinha, na Vila Mariana, mesmo bairro onde funcionava seu consultório. Teve um casamento de sete anos, também com um terapeuta.

Grecco se dedicou a estudar o piano clássico. Era fã de Claude Debussy e interpretava suas músicas nos frequentes saraus que realizava.

Gostava de festas e quando fez 60 anos fechou um restaurante para cem convidados. “Outros cem ficaram do lado de fora”, conta Brito. Usava roupas coloridas, muitos colares e pulseiras. Previu a própria morte quando os médicos disseram que a quimioterapia já havia cumprido seu papel.

“De que você tem vontade?”, questionou Brito, depois de perceber que amiga estava se preparando para morrer. “De encher a casa de gente”, ela respondeu. Não teve filhos.

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do que foi publicado, Aimée Grecco morreu com insuficiência respiratória causada por um câncer que se iniciou no ovário, e não por causa de uma leucemia. A informação já foi corrigida.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.