Descrição de chapéu Obituário José de Oliveira Nogueira (1937 - 2021)

Mortes: Fez mais de 10 mil partos e aproveitou muito a vida

Dr. Nogueira fez história em Jaboticabal por atender gestantes e fundar hospital

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Na maioria das famílias de Jaboticabal, no interior de São Paulo, pelo menos um dos membros teve o nascimento conduzido pelo obstetra José de Oliveira Nogueira. Com mais de 10 mil partos no currículo, o médico chegou a trazer ao mundo quatro gerações de uma mesma família.

Na década de 1970, Dr. Nogueira dividia o atendimento às gestantes da cidade com seu primo, o outro Nogueira. Para diferenciar, os pacientes se referiam a José como o Nogueira gordo e seu primo, o magro.

Eram tantos partos que seu consultório precisou ser transferido para o hospital. Só assim para dar conta dos atendimentos de pré-natal e nascimentos.

“Perdi as contas de quantas vezes estávamos prontos para sair, ir ao clube, e meu pai era chamado para fazer um parto. Quando sobrava um tempo e ele levava eu e meu irmão ao jogo do Jaboticabal, em algumas vezes ele era chamado pelo alto-falante do estádio para socorrer uma gestante em trabalho de parto. A gente se acostumou com essa vida”, relembra o filho Maurício Lacerda Nogueira, virologista professor da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto.

Cioso da sua capacidade, Dr. Nogueira fez o parto dos dois filhos, o mais velho, inclusive, em sofrimento fetal. “Ele sempre dizia ‘95% dos bebês nascem com médico, apesar do médico ou sem médico. Os outros 5% vão depender do conhecimento do médico’”, conta Maurício.

O obstetra José de Oliveira Nogueira - Arquivo pessoal

Dr. Nogueira nasceu em Veadinho do Porto, antigo nome de Riolândia. O pai, fazendeiro, vendeu tudo e mudou-se para Jaboticabal, cidade próspera nos anos 1940, para que os quatro filhos pudessem estudar.

Os dois homens formaram-se em medicina, e as mulheres, em secretariado e matemática. Nogueira estudou na Faculdade Nacional de Medicina, que viria a se tornar a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Voltou a Jaboticabal no fim dos anos 1960 e reencontrou a namorada de adolescência, Maria Virginia, com quem engatou novo romance. Para comemorar o grande dia, os amigos do casal contrataram um avião para jogar bilhetinhos pela cidade com mensagem comemorando o “milagre”, já que o casório demorou a sair.

Empreendedor, Dr. Nogueira, juntamente com outros 12 médicos, fundou em 1972 o Hospital São Marcos, que existe até hoje na cidade e onde seu filho mais novo trabalha. Com o retorno financeiro que obteve, deu uma vida confortável à família e ajudou muitas pessoas da família a cursarem faculdade.

Uma das grandes paixões do obstetra era comer. Adorava sair para jantar ou almoçar e seu prato preferido sempre incluía peixe, como relembra o filho. “Dava gosto de vê-lo comer. E podia ser em qualquer lugar, desde o restaurante mais chique ao boteco mais vagabundo, ele sempre ficava à vontade.”

O médico também adorava viajar. Estava sempre às voltas com a esposa por vários destinos no mundo. “Meu pai aproveitou bem a vida. Viajou, conheceu muitos lugares, comeu o que queria, teve sucesso profissional, um casamento de 51 anos e dois filhos que não deram trabalho”, diz Maurício.

Dr. Nogueira morreu em 16 de fevereiro, aos 84 anos, em decorrência de pneumonia. Deixa esposa, dois filhos e quatro netos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.