Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
06/09/2010 - 08h57

Reforma em lago do parque da Aclimação, em SP, atrapalha visitantes

Publicidade

ROGÉRIO PAGNAN
DE SÃO PAULO

Destruído pelas chuvas de fevereiro do ano passado, o lago do parque da Aclimação (zona sul de São Paulo) passa por reformas e está com o nível de água 1,5 metro abaixo do normal. A prefeitura paulistana iniciou a substituição do vertedouro do lago após 18 meses da forte chuva que atingiu a cidade e que provocou o esvaziamento total do local.

Parque Villa-Lobos, em SP, terá visual repaginado
Museu de paleontologia no PR tem peças quebradas
Promotoria de SP quer barrar parque na represa Guarapiranga
Fogo atinge 40% da reserva nativa da Serra da Canastra
Moradores se mobilizam para preservar área verde na Vila Ema

As obras já atrapalham os adeptos da corrida no parque uma vez que parte da pista (em frente ao clube escola) teve que ser isolada para a instalação de um vertedouro provisório. A prazo dado pela prefeitura para finalizar toda a reforma e restabelecer a pista é de cinco meses.

Zanone Fraissat/Folhapress
Reforma em lago do parque da Aclimação atrapalha visitantes; obras foram necessárias após chuvas do ano passado
Reforma em lago do parque da Aclimação atrapalha visitantes; obras foram necessárias após chuvas do ano passado

O vertedouro é um item de segurança instalado para evitar, quando há excesso de água, o rompimento de uma barragem. Assim, para retirar o equipamento atual, será necessário primeiro construir esse vertedouro menor. O equipamento atual foi instalado emergencialmente em fevereiro do ano passado, após o escoamento total dos 78 milhões de litros de água do lago do parque.

O governo municipal informou que o novo vertedouro terá uma tecnologia que evitará um novo escoamento acidental das águas. Essas obras custarão cerca de R$ 600 mil, de acordo com a Prefeitura de São Paulo.

Além do vertedouro, o município mantém no local um serviço para retirada de lodo. Até agora, segundo a administração, foram retiradas 272 toneladas do material. A quantidade representa cerca de 30% do total que precisa ser retirado.

Segundo a prefeitura, não será necessária a remoção de peixes --que sobreviveram ao acidente do ano passado por ter ficado em poças. Depois de concluídas as intervenções, os animais transferidos para parque Ibirapuera (como o casal de cisnes) voltarão para o local. O município também deve cortar dois eucaliptos e plantar 31 árvores nativas.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página