Sob Doria, desempenho de alunos da rede estadual de SP piora no ensino médio

Secretaria diz que etapa é um gargalo da educação; no ensino fundamental, houve melhora

São Paulo

O desempenho dos alunos da rede estadual de São Paulo piorou no ensino médio e melhorou no fundamental de 2018 para 2019. 

É o que mostram os dados do Idesp (Índice de Desenvolvimento da Educação de São Paulo) divulgados nesta sexta-feira (31). O dado é o principal indicador da qualidade de ensino público do estado, hoje sob gestão João Doria (PSDB). 

O índice, criado em 2007, leva em conta os resultados do Saresp (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo) nas disciplinas de língua portuguesa e matemática e o fluxo escolar do aluno (taxas de aprovação, reprovação e abandono). 

Passaram pela avaliação do Saresp, em novembro de 2019, cerca de 1 milhão de alunos da rede estadual. O Idesp considera alunos do 5° e 9° anos e da 3ª série do ensino médio. 

No ensino médio, o índice caiu de 2,51 para 2,44 em um ano. O número vinha em uma trajetória de aumento desde 2013. A meta do governo é chegar a 5 em 2030. 

A Constituição estabelece o ensino médio como responsabilidade dos estados. A atribuição pelo fundamental é compartilhada entre governos estaduais e prefeituras, mas, fora de São Paulo, a praxe é que essa etapa seja gerida pelos municípios.

Nos anos iniciais do fundamental (1° ao 5° ano) da rede estadual paulista, o Idesp subiu de 5,55 para 5,64 de 2018 para 2019. Já nos anos finais (6° ao 9° ano), foi de 3,38 para 3,51. Os índices de 2019 dessa etapa da educação foram os maiores desde 2010. 

O governo Doria iniciou no ano passado tratativas com prefeituras para municipalizar todas as escolas de anos iniciais do ensino fundamental ainda sob gestão do estado, o que atingiria 627 mil alunos do 1º ao 5º ano da rede estadual.

Os dados divulgados nesta sexta-feira mostram que o desempenho dessa etapa piorou em português e melhorou em matemática. Já entre os estudantes do ensino médio, caiu nas duas disciplinas.

A gestão Doria assumiu com a meta de colocar São Paulo na liderança do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). Atualmente, o estado está em sexto lugar.

Entre 2005 e 2017, São Paulo foi apenas a 16ª unidade da federação que mais evoluiu no indicador.

O mandato de Doria é o sétimo seguido do PSDB no estado.

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, sob gestão Rossieli Soares, afirma em nota que o ensino médio “assim como em escala nacional, é um dos gargalos da educação pública paulista”, sem especificar razões que podem ter contribuído para a queda no índice entre alunos desse ciclo.

A pasta diz ainda que implementou uma série de ações pedagógicas para “melhorar a qualidade desta etapa da escolaridade e torná-la mais atrativa”. 

Citam, por exemplo, o programa Inova Educação, que incluirá no currículo obrigatório duas aulas por semana de uma atividade chamada projeto de vida, mais duas aulas do componente eletivas e uma de tecnologia. Segundo a secretaria, mais de 110 mil professores já foram capacitados para o programa. 

O programa aumenta em 15 minutos o tempo diário de aulas na rede estadual e enxuga em 10% a duração das disciplinas tradicionais, como matemática e português. O objetivo é ampliar o número diário de aulas de seis para sete, abrindo espaço para componentes extracurriculares.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.