Empreendedor social inova comunicação de pessoas com deficiências na fala

Software de brasileiro permite diálogos mais fluídos para pessoas com deficiências na fala

Patricia Pamplona
São Paulo

​Uma das grandes inspirações para Carlos Pereira é o cientista Stephen Hawking. Morto há quase um ano, o físico usava um sintetizador eletrônico, que reproduzia o que digitava, para se comunicar devido a uma traqueostomia de emergência que comprometeu sua fala.

Hawking chegou a falar que se sentia solitário, pois nem sempre as pessoas tinham paciência para esperar que ele digitasse sua resposta. E é para melhorar essa interação, de pessoas com deficiências na fala, que Pereira tem trabalhado.

O brasileiro, vencedor do Prêmio Empreendedor Social 2016 e integrante da Rede Folha, criou o Livox, um software que permite sua filha, Clara, se comunicar, uma vez que sua fala é afetada pela paralisia cerebral.

A ferramenta reúne vasto repertório para que a pessoa com deficiência possa se expressar. Além do reconhecimento conferido pela Folha e pela Fundação Schwab, Pereira recebeu um investimento de US$ 550 mil (cerca de R$ 2 milhões) do Google para poder aprimorar o processamento natural de linguagem –ou seja, dar fluidez à comunicação.

"Normalmente, o software de comunicação alternativa tem muitas opções na tela, e com a dificuldade motora fica difícil procurar e interagir com tablet e dizer, por exemplo, que está com sede", explica o empreendedor social.

O investimento do Google fez com o que o Livox ganhasse dois aprimoramentos importantes para essa melhora. O primeiro é fazer com que a pessoa com deficiência inicie uma conversa mais rapidamente. Com geolocalização ativada, o aplicativo sugere opções ligadas aos hábitos do usuário. Se às 16h normalmente faz-se um lanche, por exemplo, a solicitação aparece de maneira mais fácil no tablet.

O segundo é a função chamada conversação natural. A exemplo de "Hey, Siri" e "Ok, Google", que ativam os assistentes de smartphones, o Livox é ativado com o nome da pessoa com deficiência e usa o processamento natural de linguagem para entender o que o interlocutor está falando. As alternativas de resposta que aparecem, então, são ligadas a esse discurso.

Um teste com 1,2 milhão de perguntas mostrou que 95% das respostas mostradas eram significativas. "Isso torna a comunicação alternativa extremamente mais rápida", afirma Pereira.

Por seus avanços e melhorias na qualidade de vida de pessoas com deficiência, Carlos Pereira disputa o Global Innovation Through Science and Technology (Inovação Global Através de Ciência e Tecnologia, em tradução livre), concurso do Departamento de Estado Americano que irá levar 24 dos 80 concorrentes ao Congresso Global de Empreendedorismo, no Bahrein.

Para vencer, Pereira precisa conquistar o maior número de votos possível para ficar entre as primeiras colocações. Para votar, é preciso acessar o site oficial do concurso. As instruções para votar estão neste link.

Saiba mais sobre a iniciativa e a história de Carlos Pereira no vídeo abaixo, produzido para o Prêmio Empreendedor Social.​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.