Descrição de chapéu Coronavírus

IBM cumpriu 26 mil horas de voluntariado em combate à Covid-19

Trabalhos incluem desenvolvimento de tecnologia, além de consultoria de negócios e educação

São Paulo

A IBM, multinacional de informática, anunciou que seus funcionários da América Latina alocaram mais de 26 mil horas de trabalho voluntário durante a pandemia da Covid-19.

Usando a tecnologia como um facilitador, as iniciativas da empresa ajudam instituições educacionais, ONGs, governos e empresas a desenvolver projetos e programas que apoiem a sociedade e as comunidades em toda a região durante o período de crise econômica e sanitária e isolamento social.

As horas gastas são equivalentes a mais de 12 anos de trabalho contínuo, considerando jornadas de trabalho equivalentes a oito horas por dia durante cinco dias por semana.​

Para Ana Paula Assis, presidente da IBM na América Latina, a pandemia forçou as empresas a se posicionarem de uma forma cada vez mais relevante no que tange à responsabilidade social.

“Os clientes vão cada vez mais olhar para esse papel de protagonismo de agente que contribui para a economia e a sociedade em que se insere. A responsabilidade social então passa a ser um investimento social para a sustentabilidade”, afirma.

Ana Paula Assis, presidente da IBM América Latina
Ana Paula Assis, presidente da IBM na América Latina - Divulgação

As horas de voluntariado dos chamados “IBMistas” foram dedicadas principalmente a programas de treinamento para professores e alunos, tradução de conteúdo, consultoria de negócios, desenvolvimento e adaptação de soluções que usam inteligência artificial, orientação online, entre outros.

Segundo Ana Paula, a chave para fazer a diferença na transformação da sociedade é acompanhar organizações, instituições educacionais, governos e empresas no caminho da digitalização, como fez e continua fazendo a IBM.

"Nesses momentos sem precedentes, como o que estamos vivendo, tenho orgulho de que os 'IBMistas' tenham se unido para colaborar com nossa comunidade, possibilitando o uso da tecnologia, fornecendo recursos, experiência, tempo e dedicação para fazer a diferença para os cidadãos e para nossa sociedade", diz a presidente.

A IBM possui uma política de flexibilidade que permite que os funcionários abatam horas de trabalho usando suas horas de voluntariado. Os interessados em se voluntariar se cadastram em projetos e iniciativas cadastrados na plataforma interna de trabalho voluntário da empresa.

Uma das iniciativas de impacto social realizadas na pandemia foi a parceria entre IBM e Cisco em prol das instituições educacionais da América Latina.

A partir do conhecimento dos funcionários da IBM, as duas empresas de tecnologia ajudaram escolas a continuar com suas aulas regulares durante o isolamento social usando a plataforma Cisco WebEx.

Mais de mil "IBMistas" ministraram aulas para os professores, para que eles pudessem tirar o máximo proveito da plataforma, bem como ajuda telemática em tempo real para resolver quaisquer questões ou problemas técnicos.

Mais de 9.300 professores e educadores foram treinados, impactando mais de 164 mil estudantes em toda a América Latina.

Outro destaque são os serviços de consultoria voluntários prestados para o governo de São Paulo. Um exemplo é o de auxílio ao InovaHC, movimento para incentivar a inovação dentro e fora do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. A IBM vai ajudar nas próximas etapas do movimento, promovendo o desenvolvimento de um ecossistema que possibilite a transferência de conhecimento científico, tecnológico e cultural entre os setores público e privado.

Além disso, os consultores também apoiarão o design, o planejamento e os recursos necessários para escalar um piloto para acelerar a adoção de novas tecnologias por pequenas e médias empresas em São Paulo. A IBM também lançou um projeto para investigar possíveis tratamentos de Covid-19 em sua IBM World Community Grid.

A plataforma permite que qualquer pessoa com um dispositivo de computação doe poder de computação não utilizado para pesquisas científicas de ponta em questões de saúde e sustentabilidade.

De acordo com Ana Paula, os funcionários da IBM têm orgulho do trabalho voluntário realizado em combate à pandemia.

“Certamente foi uma das principais atividades de engajamento que vivenciamos na nossa história. Os IBMistas hoje se sentem absolutamente orgulhosos de contribuir para a melhoria da sociedade”, afirma.

Para ela, o principal ponto a se pensar não é a importância da responsabilidade social em si, mas sim “como resolver os desafios de capacitar as pessoas para as novas oportunidades que vão surgir numa economia que é cada vez mais digital”.

E é por isso que a empresa usa desde antes da pandemia sua expertise em tecnologia para contribuir à sociedade. Neste ano, além dos projetos de impacto a ONGs, escolas e governos, a IBM também lançou a segunda edição de sua maratona Behind the Code.

A competição de codificação virtual reúne desenvolvedores para resolver desafios de negócios do mundo real por meio do uso de tecnologias disruptivas, como inteligência artificial, internet das coisas, blockchain, entre outras, todas disponíveis na IBM Cloud.

Durante a Maratona, a IBM vai fornecer ferramentas e conteúdos para ajudar os desenvolvedores em sua jornada de aprendizado, auxiliando-os na resolução dos desafios de negócios que serão apresentados durante a competição e aprimorando suas habilidades nas tecnologias mais solicitadas no mercado de trabalho atual.

As inscrições estão abertas até 7 de agosto em https://ibm.co/3fzZ1lD.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.