Descrição de chapéu Dias Melhores

Startup troca inscrições em lives por doações de cestas básicas

CrediHome promove ação "Cestou" e doa 160 kg de alimentos para famílias em São Paulo

São Paulo

Desde o início do período de isolamento social em decorrência da Covid-19, as pessoas têm feito e participado de inúmeras transmissões ao vivo nas redes sociais.

São aulas, shows de artistas que trocaram os palcos pelas telas e também empresas que têm usado esse formato de conteúdo como estratégia para vender mais. Na contramão deste caminho, outras empresas estão usando as lives como um aliado para ações sociais.

É o caso da CrediHome, plataforma digital de crédito imobiliário que lançou uma campanha com o objetivo de distribuir cestas básicas para famílias em situação de vulnerabilidade.

A ação, chamada de “Cestou”, funcionou por meio de uma meta estabelecida com base no número de pessoas que participaram das lives promovidas pela empresa durante o período da quarentena.

No início de maio, a campanha começou a ser divulgada, enquanto algumas parcerias foram fechadas.
Ao todo, foram dez lives realizadas do início de maio até julho.

As transmissões abordaram diferentes temas, como a viabilização de crédito imobiliário durante a pandemia, mudanças nos mercados, desafios trazidos pela crise e como os gestores poderiam se reinventar no momento.

O total de visualizações nas lives chegou a 1.580 pessoas, convertidas em 160 kg de alimentos que foram distribuídos para regiões mais vulneráveis, como a comunidade Mauro, localizada na zona sul da capital paulista.

As cestas básicas foram entregues em mãos para as famílias com a ajuda do parceiro e voluntário Sergio Shigueeda, do Movimento Nacional Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Todas as cestas foram compradas pela CrediHome da empresa Incentivo, especializada no segmento.

A fintech planeja continuar com a viabilização de ações como esta, mesmo depois da pandemia.

“A ideia surgiu pela vontade de ajudar famílias em uma situação vulnerável, que foram as mais impactadas pela pandemia. Nossa vontade e disposição em realizar ações sociais não vai acabar nunca e já estamos desenvolvendo outros projetos de alcance e impacto maiores”, afirma o CEO da fintech, Bruno Gama.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.