Descrição de chapéu

Como o voluntariado corporativo pode transformar vidas

Voluntários exercem cidadania, desenvolvem empatia e geram impacto positivo para a sociedade

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Isabel Costa

Gerente de cidadania corporativa da Samsung Brasil

Moradora de comunidade de alta vulnerabilidade social na zona sul de São Paulo, Vanessa Barbosa de Souza, 20, conseguiu, por meio do programa de voluntariado digital da Samsung, desenvolver um aplicativo de apoio psicológico.

Ao lado de colegas de equipe da ONG Obra do Berço, uma das parceiras da empresa na iniciativa “Conectados pelo Futuro”, Vanessa pretendia oferecer uma plataforma virtual para ajudar a tratar sinais de depressão, facilitando o contato com profissionais. Um grande avanço para uma jovem que sofreu restrições por ter dificuldade na fala desde a infância.

Durante as mentorias com funcionários da Samsung, por videoconferência, ela se sentiu motivada a deixar a timidez e a insegurança para se engajar no projeto. Após essa experiência, planeja se formar em administração e abrir um empreendimento voltado para a saúde mental.

A história de Vanessa mostra como o voluntariado é uma ação direta de transformação social e o quanto essa atividade corporativa deve ser incentivada.

Ao fazer essa conexão, profissionais das empresas dividem experiências e métodos com jovens que desejam conhecer melhor o mercado de trabalho e alcançar oportunidades profissionais. Mais do que conhecimento técnico, o voluntariado estimula práticas de cidadania que são partilhadas por funcionários com carreiras consolidadas.

Ser voluntário é colaborar para o desenvolvimento da coletividade, despertando direitos e deveres de cidadãos.

Por meio de experiências educativas que estimulam criatividade e inovação, grandes companhias, com iniciativas consolidadas e de longo prazo em responsabilidade social, passam a estimular que seus funcionários sejam agentes de transformação.

Isso abre as portas para que eles conheçam diferentes realidades, se engajem em causas sociais e contribuam com suas habilidades e até mesmo desenvolvam novas competências.

Com o voluntariado corporativo, as pessoas conseguem exercer cidadania, ampliam a visão sobre o meio em que vivem, desenvolvem empatia e, ainda, geram impacto positivo para a sociedade.

É a ação mais eficiente, inspiradora e prática de engajamento social, dentro de um processo contínuo de aprendizagem, seguindo o objetivo de educar as próximas gerações e aprimorar o potencial de futuros líderes.

A partir deste propósito de ser um catalisador de causas importantes, o voluntariado ganha papel transformador em uma sociedade tão diversa.

A criação de um aplicativo para facilitar o acesso ao tratamento de depressão foi a solução desenvolvida pela equipe de Vanessa. Em contato com especialistas em tecnologia, os jovens perceberam que poderiam mudar a realidade de muitas pessoas quando abriram as portas para o digital.

Na plataforma, há indicações de psicólogos profissionais, clínicas e dicas de livros, em linguagem que deixa outros jovens à vontade para falar de um tema sensível como a depressão.

É dever de grandes empresas capacitar futuros líderes, que ajudarão suas comunidades a superar os desafios trazidos pelas rápidas mudanças do século XXI.

Direcionando esforços e adaptando modelos que possibilitem impactar comunidades distantes e usando o mesmo princípio de dedicação e empatia que se espera do voluntário presencial, é possível multiplicar as possibilidades de se promover o bem, indicar o caminho para evolução de jovens e proporcionar histórias inspiradoras, em uma tendência que agrega novos formatos de engajamento social.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.