Descrição de chapéu

Seu projeto social está fazendo a diferença?

Coletânea de oito cadernos ensina como fazer avaliação de forma humanizada

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Vathsala lyengar Stone

Professora aposentada da Universidade de Buffalo (EUA)

Thereza Penna Firme

Coordenadora do centro de avaliação da Fundação Cesgranrio

Momentos de crise, como o que estamos passando com a pandemia de Covid-19, evidenciam a importância das organizações da sociedade civil no combate às desigualdades e garantia dos direitos humanos.

Em seus territórios, são capazes de articular atores públicos, bem como engajar comunidades e definir ações para apoiar pessoas em diversas condições de vulnerabilidade social, como a falta de comida, renda, teto, saúde e educação.

Projetos sociais geralmente têm um propósito nobre e há algum tempo vão além da caridade, permitindo uma visão mais estratégica em suas atividades, com resultados consistentes em longo prazo. Neste sentido, a qualidade interna do projeto (mérito) e a validade externa (relevância) são indispensáveis.

Assim, a pergunta “estamos mesmo fazendo a diferença?” é frequente nas rodas de quem atua na linha de frente dos programas. E só existe uma maneira de respondê-la: por meio de avaliação.

Desde os anos 1960, quando surgiu uma nova concepção da avaliação no campo acadêmico educacional, o processo avaliativo vem sendo encarado como a sistematização de coleta e análise de dados.

É pautada para averiguar mérito e/ou relevância de qualquer objeto de interesse. Isto tem possibilitado o uso de novas abordagens e novos métodos, tornando o processo mais amplo e amigável. A abordagem naturalística como alternativa para metodologia experimental seria um exemplo.

Dentro desse novo contexto, e em parceria com o salvadorenho Juan Antonio Tijiboy, mestre e doutor pela Universidade Stanford (EUA), naturalizado brasileiro e falecido em 2013, realizamos um trabalho à convite do Unicef - Fundo das Nações Unidas para a Infância na década de 1980.

A ideia era avaliar projetos socioeducacionais que buscavam contornar o grave problema de crianças morando nas ruas e afastadas das escolas no Brasil, oportunidade em que desenvolvemos uma sistemática de avaliação baseada na abordagem naturalística.

A missão exigiu que nós procurássemos crianças nas praças e demais lugares em que viviam para uma observação direta da realidade. Nesta abordagem, o próprio pesquisador é um instrumento humano que utiliza técnicas de observação direta, discretas, quase ocultas e nada óbvias.

A aproximação ocorre por meio do diálogo e, às vezes, de representações lúdicas, para que possamos entender o contexto em que vivem sem sermos invasivos.

Durante as três décadas que se passaram desde a formulação desta metodologia, o estudo foi apreciado positivamente em congressos internacionais como AEA (American Evaluation Asssociation) e Aera (American Educational Research Association). Também foi amplamente divulgado em grupos especializados em avaliação.

Em paralelo, procuramos também transformar a metodologia em uma obra didática para que educadores, coordenadores e outros envolvidos em projetos e programas socioeducacionais pudessem descobrir, passo a passo, como avaliar de forma profissional os resultados de suas ações.

Nesta pandemia, revisitamos a obra, com intensas revisões e novas contribuições sobre o universo da avaliação, completando assim uma coletânea de volumes totalmente ilustrados, lançados em parceria com o Itaú Social, que abraçou o projeto e o está disponibilizando gratuitamente em seu site.

A avaliação serve a várias preocupações sociais importantes, como gestão e contabilidade, benefício ao consumidor, inclusão e equidade social, sustentação do planeta, entre outros.

Suas metodologias estão em constante transformação, porém, a avaliação sempre será o espelho que reflete nossas necessidades e permitirá compreendermos e nos comprometermos com a construção de uma justa sociedade.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.