Obesidade volta a crescer no país e atinge maior índice em 13 anos

Em 2018, mais de metade da população estava com excesso de peso, sendo que 19,8% se enquadram como obesos

Natália Cancian
Brasília

Após três anos de estagnação, o índice de brasileiros obesos voltou a crescer no país e atingiu, em 2018, o maior patamar dos últimos 13 anos. 

O alerta é do Vigitel, pesquisa do Ministério da Saúde que investiga hábitos de vida e fatores de risco de doenças crônicas, problema que hoje é um dos principais pontos de impacto no SUS. 

Os dados mostram que, em 2018, 19,8% dos entrevistados estavam obesos. Embora já apresentasse aumento desde 2006, nos últimos três anos, esse índice estava estagnado em 18,9%. 

Agora, voltou a crescer, aumentando a preocupação sobre o risco de doenças ligadas à obesidade, como hipertensão e diabetes. 

Outro alerta é com o índice de brasileiros com excesso de peso, que também tem aumentado nos últimos anos. Hoje, 55,7% da população está dentro desse patamar, o qual inclui os casos de obesidade. Para comparação, em 2006, esse percentual era de 42,6%.

O cálculo das categorias é feito por meio das informações de peso e altura, usadas para verificar o IMC (índice de massa corporal, que é o peso dividido pela altura ao quadrado). Se igual ou acima de 25 kg/m², há excesso de peso. Para igual ou acima de 30 kg/m², há não apenas um excesso, mas obesidade.

A pesquisa mostra ainda que o crescimento da obesidade tem sido maior entre adultos de 25 a 34 anos e 35 a 44 anos —grupos que apresentaram aumento de 84,2% e 81,1%, respectivamente. 

Em 2018, o índice de obesidade foi pouco maior entre as mulheres em relação aos homens: 20,7% de mulheres, contra 18,7% de homens.

Já nas capitais, a prevalência variou de 15,7%, em São Luís, a 23%, em Manaus.

O novo avanço da obesidade acendeu um alerta no Ministério da Saúde. A avaliação é que a medida acaba por frustrar os planos do país de cumprir uma meta que previa deter o crescimento da obesidade até 2019. O compromisso anunciado em 2017 previa reduzir o índice, até então em 18,9%, para ao menos 17,9%. Equipes da área já se organizam para rever a meta ou adotar novas ações. 

Questionado sobre o que pode ter levado ao aumento, o secretário de vigilância em saúde, Wanderson Oliveira, afirma que não há como apontar um único fator como culpado. 

"É multifatorial. Temos questão relacionada ao trabalho, à monotonia alimentar. As pessoas estão consumindo mais alimentos com alto teor de gordura e alimentos ultraprocessados, então possivelmente há relação com esses hábitos", afirma.

Ele lembra que o Brasil vem passando por uma mudança no perfil de doenças, com aumento das doenças crônicas —o que reforça o risco da obesidade. Um exemplo disso é o aumento no diagnóstico de diabetes e o impacto de doenças cardiovasculares.

Realizado todos os anos, o Vigitel ouviu na última edição 52.395 pessoas acima de 18 anos em todas as capitais do país e no Distrito Federal. O balanço foi feito entre fevereiro e dezembro de 2018.

MUDANÇA DE HÁBITO

Nem tudo, porém, é má notícia. Segundo a pesquisa, o índice de brasileiros que afirmam consumir frutas e verduras e fazer atividades físicas vêm crescendo. Mas ainda não o suficiente para deter o avanço da obesidade.

Um exemplo desse pontapé em uma mudança de hábitos é que, em 2008, 20% dos adultos consumiam regularmente frutas e verduras. Em 2018, esse índice passou para 23,1%. "É um número ainda baixo, mas há tendência de aumento. Precisamos aumentar informações e campanhas para que a população adote mais esses hábitos", afirma Oliveira.

Outro sinal de mudança na alimentação é que o consumo de bebidas açucaradas, como refrigerantes, caiu 53,4% —passou de 30,9% para 14,4%. Já a prática de atividade física cresceu 23,7%. 

Apesar desse aumento, a mudança nesses parâmetros ainda não levou o país a atingir outras metas firmadas também para esses indicadores.

No caso do consumo de refrigerantes, por exemplo, a meta é chegar 12,5% em 2019 —o país, porém, chegou a 14,4% no último ano.

Agora, Oliveira diz que a pasta aposta em programas de incentivo à atividade física, campanhas e acordos com a indústria para redução de açúcar nos alimentos para acelerar as mudanças nos índices.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.