Cientistas questionam elo entre animal em extinção e coronavírus

Mamífero, pangolim seria hospedeiro intermediário entre morcegos e humanos

Londres e Pequim | Reuters e AFP

Pesquisadores questionaram na sexta-feira (7) a tese de que o pangolim, um mamífero comercializado ilegalmente em grandes quantidades na China, seria o hospedeiro intermediário do coronavírus entre morcegos e seres humanos.

A hipótese foi divulgada na sexta-feira (7) pela Universidade de Agronomia do Sul da China, que disse em seu site que "a descoberta será de grande impacto para a prevenção e para controle da origem (do novo vírus)".

Pangolim cheira a terra. Tem a cabeça pequena, em formato alongado, corpo com escamas e garras nas patas, além de uma cauda.
Pangolim, o único mamífero com escamas no mundo, seria hospedeiro intermediário do coronavírus - Roslan Rahman/AFP - 7.fev.2020

A agência de notícias Xinhua afirmou que a sequência genética do coronavírus isolada em pangolins no estudo era 99% idêntica às encontradas em pessoas infectadas. Por isso, foi feita a afirmação de que o animal, único mamífero com escamas, seria "o mais provável hospedeiro intermediário".

Apesar da proibição, o pangolim é o animal mais traficado na Ásia. Sua carne é considerada uma iguaria, e as escamas são utilizadas para fins medicinais. 

Mas Dirk Pfeiffer, professor de medicina veterinária na Universidade da Cidade de Hong Kong, e James Wood, chefe do departamento de medicina veterinária da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, disseram que a evidência do estudo está longe de ser robusta. 

"Os indícios para o potencial envolvimento do pangolim na epidemia não foram divulgados além de um comunicado à imprensa da universidade. Isso não é evidência científica", afirmou Wood. "A mera detecção de RNA viral com uma similaridade de 99% não é suficiente. Os resultados não poderiam ser oriundos de um ambiente altamente contaminado?"

Jonathan Ball, professor de virologia molecular na Universidade de Nottingham, disse que a pesquisa da universidade chinesa é uma iniciativa interessante, mas que ainda não está claro "se o pangolim, ameaçado, é ou não o hospedeiro". 

"Precisaríamos ver todos os dados coletados para verificar as relações entre os humanos e pangolins infectados, a prevalência do vírus entre pangolins e se eles estavam sendo vendidos nos mercados em Wuhan", afirmou.

O número total de mortos na China continental subiu em 86 neste sábado (8), chegando a um total de 722 desde o início do surto. Assim, o saldo de mortos pelo novo coronavírus está prestes a passar as 774 mortes registradas globalmente durante a pandemia de 2002-2003 da Sars, causada por outro tipo de coronavírus que migrou de animais para humanos na China.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.