SP confirma 2º caso de novo coronavírus importado da Itália

Homem de 32 anos viajou a Milão e está em isolamento domiciliar; casos de suspeita vão a 207 no país

São Paulo e Brasília

Um segundo caso importado do novo coronavírus foi confirmado em São Paulo neste sábado (29) pelo Ministério da Saúde. O paciente esteve na Itália e foi atendido no Hospital Israelita Albert Einstein (SP) na sexta (28).

Segundo nota do Ministério da Saúde, o homem de 32 anos chegou em São Paulo na quinta (27), de voo procedente de Milão (Itália), na região da Lombardia (norte do país), quando iniciou os sintomas.

O paciente afirma que usou máscara durante toda a viagem de retorno ao Brasil. Ele estava acompanhado da mulher, que não apresenta sintomas. Ambos estão isolamento domiciliar e monitoramento diário pela Secretaria Municipal de Saúde São Paulo.

No atendimento, segundo o Einstein, foram relatados febre, dores musculares e de cabeça. O paciente recebeu a orientação de isolamento domiciliar, uma vez que o quadro clínico é leve e estável. O Einstein diz ter adotado todas as medidas preventivas para a transmissão por gotículas.

A investigação de contatos próximos durante o voo e outros locais está em curso por meio das secretarias estadual e a municipal em conjunto com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

De acordo com o ministério, apesar da nova confirmação, não há mudança da situação nacional, pois não existem evidências de circulação sustentada do vírus em território brasileiro.

O ministério considerou como final o teste realizado pelo Einstein, que utiliza protocolo preconizado pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Foi orientado ao hospital o encaminhamento de uma alíquota da amostra ao Instituto Adolfo Lutz, para monitoramento genético do vírus.

O primeiro caso confirmado no país é de um homem de 61 anos de São Paulo, que também esteve na Itália e foi atendido no Einstein. Os dois casos não têm vínculo entre si.

 

Até este sábado, haviam sido confirmados 207 casos de suspeita do novo coronavírus no país. Os casos estão distribuídos em 15 estados e no Distrito Federal. São Paulo lidera as suspeitas, com 91 pacientes em análise, seguido do Rio Grande do Sul, com 27, e do Rio de Janeiro, com 19.

Ainda neste sábado, o ministério afirmou que a partir de segunda-feira (2) adotará novo fluxo de consolidação dos casos de coronavírus. Passarão a ser consideradas as classificações informadas pelas secretarias estaduais.

Em nota, a pasta afirmou que, "ao longo das últimas semanas, o Ministério da Saúde vem treinando os estados para a consolidação das notificações dos casos suspeitos do coronavírus".

"Com a finalização da orientação às secretarias de Saúde estaduais, a partir do dia 2 de março, segunda-feira, o Ministério da Saúde inicia um novo fluxo e adotará integralmente os dados repassados pelos gestores locais", acrescentou.

Até agora, segundo o ministério, cada notificação era reanalisada pela equipe da pasta. "A ação de descentralização da consolidação dos casos busca dar agilidade de resposta à doença", disse o ministério.

OMS (Organização Mundial da Saúde) elevou nesta sexta para "muito alta" a avaliação de risco para o novo coronavírus a nível global. A mudança ocorre após aumento de casos confirmados fora da China.

Até o momento, foram registrados cerca de 86 mil casos em todo o mundo, com 2.941 mortes. A maioria dos casos ocorreu na China.

Em outros países, há cerca de 4.000 casos em 49 países e 67 mortes, segundo a OMS. Os registros estão distribuídos em 49 países.

Aplicativo

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, incentivou, na noite deste sábado (29), via redes sociais, que as pessoas baixassem o novo aplicativo para celular feito pelo o ministério para tirar dúvidas e dar orientações sobre o covid-19. 
 
Batizado de Coronavírus - SUS, o aplicativo está disponível tanto para aparelhos Apple quanto Android. Nele, é possível encontrar as unidades de saúde mais próximas, avaliar se os sintomas que o paciente tem podem estar relacionados à doença e tirar dúvidas sobre o novo coronavírus.
 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.