OMS eleva a ameaça internacional do coronavírus para muito alta

Entidade ainda discute se situação já pode ser definida como uma pandemia

São Paulo e Nova York

A OMS (Organização Mundial da Saúde) mudou a avaliação da ameaça internacional do coronavírus Sars-CoV-2 de “alta” para “muito alta”, a mais grave do novo sistema de alerta de quatro fases da entidade. 

“Esse é um alerta para todos os governos do planeta”, disse Michael J. Ryan, diretor do programa de saúde emergencial da OMS. “Acordem. Prontifiquem-se. O vírus pode estar a caminho.” 

A avaliação se refere aos riscos da dispersão sem controle do vírus e do impacto que isso possa causar. Ryan disse também que a mudança reflete a dificuldade de alguns países conterem a disseminação da doença. A entidade, porém, não explicou em seu site ou nas redes sociais quais são as quatro fases do sistema de alerta e o que essa última implica exatamente. 

“O aumento contínuo do número de casos da doença causada pelo vírus, a chamada covid-19, e o aumento do número de países afetados são claramente preocupantes”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, em entrevista a jornalistas nesta sexta-feira (28).

“Nossos epidemiologistas estão monitorando os desdobramentos, e agora aumentamos nossa avaliação do risco de espalhamento e o risco de impacto da covid-19 para muito alta num nível global.”

A OMS chama a situação atual do coronavírus de epidemia, e não pandemia, mas muitos especialistas dizem que a situação já tem esse último status ou logo terá.

A organização não usa mais um sistema de seis fases, que ia da fase 1 (sem relatos de gripes em animais causando infecções em humanos) à fase 6 (pandemia), segundo Tarik Jasarevic, porta-voz da OMS.

“Grupos em várias organizações estão trabalhando para definir o status de pandemia para esse novo vírus, o que pode demorar”, disse Jasarevic.

A entidade define epidemia como um surto regional de uma doença que se espalha de forma inesperada. Em 2010, a OMS definiu pandemia como o espalhamento mundial de uma nova doença que afeta um grande número de pessoas.

“Em geral, um surto se torna epidêmico quando ele se dissemina por um país em particular, como a zika”, diz Lawrence O. Gostin, professor de direito em saúde internacional da Universidade Georgetown. “Já uma pandemia é o espalhamento geográfico de uma doença em muitas áreas do mundo, muitos continentes.”

No mês passado, a OMS declarou que o surto era uma emergência de saúde global. Nesta semana, o diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a decisão de usar a palavra pandemia se baseava numa avaliação contínua sobre a disseminação geográfica do vírus, a gravidade dos seus efeitos e seus impactos na sociedade. 

“Esse vírus tem potencial pandêmico? Com certeza. Já estamos nesse nível? Pela nossa avaliação, ainda não”, disse ele. “Até agora, autoridades de saúde não testemunharam o espalhamento sem controle do vírus ou evidência de doenças graves ou mortes em larga escala.” Alguns países conseguiram até diminuir ou parar a transmissão.

Para Gostin, há duas razões para o diretor da OMS não chamar a situação atual de pandemia: porque a epidemia ainda pode ser contida, e para evitar pânico desnecessário. “Ele não quer criar uma reação exagerada, com mais fechamentos de cidades, mais vetos a viagens, mais danos aos direitos humanos e à atividade econômica.”

A OMS publicou um novo relatório no qual elogiou a quarentena agressiva usada pela China, onde a epidemia começou e está a maioria dos casos. Depois de minimizar o surto na cidade de Wuhan, o governo isolou cidades inteiras e milhares de pessoas que poderiam ter sido infectadas, desligou redes de transporte público e fechou escolas.

“A abordagem corajosa da China para conter o rápido espalhamento desse novo patógeno respiratório mudou o curso da epidemia”, diz o texto, que também aponta que infecções novas caíram de mais de 2.000 por dia para algumas centenas.

Nas últimas 24 horas, a China reportou 329 casos da doença, o menor número em um mês. Enquanto isso, 24 casos foram exportados da Itália para 14 países, e 97 casos foram exportados do Irã para 11 países.

A estratégia chinesa evitou ou pelo menos atrasou centenas de milhares de casos e teve papel significativo em proteger a comunidade global, afirma o relatório.

Segundo o diretor da OMS, até o momento a maioria dos casos são ligados a contatos conhecidos ou aglomerados de casos. “Não vemos evidência ainda de que o vírus está se espalhando livremente nas comunidades”, disse. “Se isso se mantiver, ainda temos chance de conter o coronavírus se ações robustas forem tomadas para detectar casos de forma precoce, isolar os pacientes e cuidar deles e rastrear os contatos.”

Ghebreyesus também afirmou que há mais de 20 vacinas sendo desenvolvidas no mundo. “Esperamos os primeiros resultados em algumas semanas, mas não precisamos aguardar vacinas e soluções terapêuticas. Há coisas que cada indivíduo pode fazer para se proteger e proteger os outros hoje”, disse, referindo-se às boas práticas de higiene respiratória, como lavar sempre as mãos e espirrar e tossir no cotovelo ou em lenços descartáveis.

“Seu risco depende de onde você mora, sua idade e sua saúde em geral”, lembrou o diretor. “Juntos, somos poderosos. Nosso maior inimigo agora não é o coronavírus por si só. São o medo, os rumores e o estigma. Nosso maior ativo são os fatos, a razão e a solidariedade”, escreveu em rede social depois da entrevista a jornalistas.

Pessoas com mais de 60 anos e/ou com doença respiratória, cardiovascular ou diabetes têm maior chance de desenvolver a doença causada pelo coronavírus, e o ideal, segundo a OMS, é que evitem aglomerações ou lugares onde poderiam interagir com pessoas doentes.

Com The New York Times

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.