Descrição de chapéu Coronavírus

Bolsonaro manda Exército produzir mais cloroquina mesmo sem ação comprovada contra Covid-19

Em rede social, presidente escreve sobre 'a possível cura dos pacientes com Covid-19'

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro anunciou neste sábado (21) que o Exército irá intensificar a produção de cloroquina em seus laboratórios.

Um estudo sobre o medicamento no enfrentamento aos efeitos do novo coronavírus ainda é preliminar. Não há comprovação da eficácia e segurança do remédio contra a doença.

A decisão, segundo Bolsonaro em vídeo publicado em uma rede social, foi tomada após ele tomar conhecimento de que o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, começou a analisar os efeitos da substância.

Na postagem, o presidente escreve "Hospital Albert Einstein e a possível cura dos pacientes com Covid-19".

Na postagem, o presidente escreve "Hospital Albert Einstein e a possível cura dos pacientes com Covid-19".

"Agora há pouco os profissionais do Hospital Albert Einstein me informaram que iniciaram um protocolo de pesquisa para avaliar a eficácia da cloroquina nos pacientes com Covid-19", afirmou o presidente.

Nesta sexta-feira (20), o Einstein e a Prevent Senior já haviam anunciado que iniciaram estudos com o medicamento para malária hidroxicloroquina em alguns pacientes com diagnóstico comprovado da Covid-19.

Em razão dos estudos do hospital israelita, Bolsonaro disse que decidiu, com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, ampliar a fabricação da hidroxicloroquina (ou cloroquina) nos laboratórios químicos e farmacêuticos da Força.

O presidente não informou qual a capacidade de produção das unidades. Ele ainda citou medidas tomadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Nacional) para evitar riscos de desabastecimento da substância no país. Após a divulgação do estudo, o remédio sumiu das farmácias.

"Na última sexta-feira, o almirante Antonio Barra, presidente da Anvisa, decidiu que a cloroquina não poderá ser vendida para outros países, afinal este medicamente também é usado no Brasil para combater a malária, o lúpus e a artrite", disse.

"Tenhamos fé que brevemente estaremos livres deste vírus. Forte abraço a todos e fiquem com Deus", afirmou o presidente ao final da mensagem publicada no Facebook.

Presidente da República, Jair Bolsonaro Foto: Isac Nóbrega/PR - Isac Nóbrega/PR

Até este sábado, o país havia registrado 1.128 casos confirmados do novo coronavírus, segundo balanço do Ministério da Saúde. São 18 mortes em todo o país.

Só no estado de São Paulo, o número de mortos havia subido de 9 para 15. Estão na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) 34 pacientes em decorrência da Covid-19. Há 9.000 possíveis casos de infecção.
Das 15 mortes, 14 são de pessoas acima de 60 anos —a exceção é um homem de 49 anos que tinha tuberculose. Apenas um deles estava em hospital da rede pública de saúde.

Neste sábado, o Ministério da Saúde afirmou que o uso do medicamento, caso seja aprovado, não deve se dar em larga escala para tratar dos sintomas do coronavírus. A pasta alertou para que as pessoas não se automediquem.

"O Ministério da Saúde pretende nos próximos dias elaborar uma nota em relação à utilização desses medicamentos. No momento, com a Anvisa, bloqueamos a retirada dos medicamentos da farmácia sem receita médica porque, se não fizéssemos isso, as pessoas que usam esses medicamentos ficariam abruptamente sem", afirmou o secretário-executivo da pasta, João Gabbardo.

"Ninguém vai poder tirar da farmácia para guardar para usar contra o coronavírus. Primeiro, esse medicamento tem uma série de efeitos colaterais graves. Obviamente ele só pode ser usados com prescrição médica e o paciente tendo consciência do risco que ele tem."

Ele afirmou que os medicamentos só devem ser adotados em caso de aprovação para casos graves, de pacientes internados.

"Hoje ele está sendo utilizado em pesquisas clínicas e poderá ser utilizado caso o Ministério da Saúde libere esse medicamento, para médicos prescreverem para pacientes graves, que estejam em hospitais. Não é para usar quem está gripado e acha que usando não vai ter complicações", disse.

Ainda neste sábado, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) divulgou parecer técnico sobre a hidroxicloroquina para orientar juízes em caso de judicialização para acesso ao medicamento.
O estudo que embasa o suporte aos magistrados é de autoria do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo.

Segundo o CNJ com base no parecer do Sírio-Libanês, a eficácia e a segurança dos medicamentos é incerta. O documento já está disponível em plataforma online para juízes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.