Redações buscam equilibrar cobertura com prevenção

Parte dos profissionais passa a trabalhar em casa; veículos cortam ou restringem viagens e limitam interação pessoal

São Paulo

Redações dos principais veículos em todo o mundo vêm adotando medidas para conter o coronavírus, que vão da suspensão de viagens, esta generalizada, à restrição da presença a tarefas essenciais, prática que já vinha crescendo no setor.

As decisões foram aceleradas com a declaração de pandemia pela Organização Mundial da Saúde, na quarta (11), e buscam equilibrar a urgência da cobertura com as salvaguardas aos profissionais.

Redação da Folha de S.Paulo
Redação da Folha de S.Paulo - Otavio Valle/Folhapress

No exterior, o New York Times solicitou que os profissionais passassem a trabalhar de casa também a partir desta sexta (13), com exceções, adaptando necessidades individuais de equipamento e familiares.

Vale para as Redações de Nova York, Londres e Hong Kong e para as “grandes sucursais” de Washington, Pequim e Califórnia.

Adiantou por outro lado que, como veículo de alcance global, as exigências de cobertura incluirão o envio de repórteres a áreas afetadas. E que escrever de casa não deve impedir os jornalistas de sair e acompanhar os acontecimentos em suas cidades e áreas de especialização.

Também o Washington Post e o londrino Financial Times, além de sites de cobertura internacional como BuzzFeed e Politico, vêm estimulando que seus profissionais passem a trabalhar de casa. Já o diário The Wall Street Journal se limita por enquanto a conter viagens ao essencial.

Levantamento da Inma (Associação Internacional da Mídia Jornalística), com 56 veículos ao redor do mundo, mostrou que metade admite não estar preparada para a situação de emergência apresentada pelo coronavírus. A segunda conclusão tirada da pesquisa é que “a configuração de ambientes de trabalho em casa é fundamental”.

Sobre viagens, 40% dos veículos que responderam disseram ter suspendido todas, e 45%, as internacionais.

No jornal O Estado de S. Paulo, a partir de segunda (16), todos os que puderem devem trabalhar de casa, não só na Redação mas em departamentos como comercial e a direção. As reuniões também passam a ser feitas remotamente. Entre as adaptações, os equipamentos voltados à produção de arte, por exemplo, serão levados às casas dos profissionais.

No jornal O Globo e por toda a editora do grupo, além da restrição de viagens às que são consideradas essenciais, os gestores estão sendo incentivados a avaliar os casos de profissionais que possam executar as atividades em casa.

O jornalismo da Globo e da GloboNews informa que, desde o início da crise, limita as viagens à imprescindíveis e evita aglomerações ou a entrevista presencial com afetados, além de redobrar a atenção para seguir as recomendações, por exemplo, de evitar o contato em cumprimentos. “Outras medidas poderão ser adotadas”, afirmou a Comunicação da emissora.

Na Folha, a partir desta sexta, uma parte dos profissionais passa a trabalhar de casa, enquanto editores e redatores seguem na Redação, mas com o mínimo de interação pessoal.

Na sede do jornal, haverá redistribuição espacial de modo que as pessoas fiquem mais distantes umas das outras. Diálogos e reuniões por telefone ou mensagem serão incentivados.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.