Descrição de chapéu Coronavírus

Calor não deve impedir a propagação do vírus, afirma Academia Nacional de Ciências dos EUA

Documento enviado à Casa Branca cita segunda onda de infecção surgida em pandemias passadas de influenza

São Paulo

Membros da Academia Nacional de Ciências dos EUA afirmaram, em carta à Casa Branca, que o Sars-CoV-2 provavelmente não será afetado e terá a circulação reduzida por climas mais quentes.

"Considerando que países com climas próximos ao de verão, como Austrália e Irã, observam uma expansão rápida do vírus, não se deve esperar o declínio do número de casos com o aumento da temperatura e da umidade", diz a carta. "Além disso, algum possível efeito de temperatura e umidade no nível de transmissão pode não ser aparente por causa da falta de imunidade frente ao Sars-CoV-2."

O documento também afirma que infuenzas pandêmicas não exibiram os padrões típicos de cepas endêmicas e epidêmicas. "Houve 10 influenzas pandêmicas nos últimos 250 anos. Duas começaram no inverno do hemisfério norte, três na primavera, duas no verão e três no outono", afirma o texto. "Todas tiveram um pico de segunda onda aproximadamente seis meses depois da emergência do vírus na população, independentemente da data de introdução do invasor."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.