Descrição de chapéu Coronavírus

SP terá 3.000 mortes por Covid-19 no início de maio, diz Secretaria de Estado da Saúde

Número de casos chegou a 15,9 mil com 1.134 mortes

São Paulo

Mesmo com um achatamento discreto da curva de atingidos pela Covid-19 —quando há diminuição do número de infectados, de óbitos e de contaminados que necessitam de UTI, comparando cada período observado—, há uma projeção das autoridades de saúde que o estado de São Paulo chegue a 3.000 mortes no dia 3 de maio.

O estado de SP registrou até esta quarta-feira (22) 15.914 casos de Covid-19, com 1.134 mortes. Em relação ao dia anterior, houve 529 novos casos (aumento de 3,4%) e 41 novos óbitos (3,7% a mais).

Para termo de comparação, entre os dias 21 e 20 de abril, o número de infectados e mortos havia apresentado aumento de cerca de 5%.

O Coordenador do Centro de Contingência de Coronavírus, David Uip, disse que é preciso observar a situação dia a dia. "Melhores condições de isolamento mostram que também temos melhores condições para enfrentar a epidemia."

Movimentação na entrada do hospital de campanha montado no Anhembi (zona norte da capital paulista)
Movimentação na entrada do hospital de campanha montado no Anhembi (zona norte da capital paulista) - Rubens Cavallari/Folhapress

Segundo o governador João Doria (PSDB), o índice de isolamento social registrado no estado no dia 21 de abril foi de 57%. A quarentena, tal como vige atualmente, terminará em 10 de maio.

A partir do dia seguinte, entrará em vigor o Plano São Paulo, que estabelecerá o abrandamento das medidas, com critérios diferentes para cada setor, seguindo dados científicos apurados em cada cidade e pelas regiões do estado.

A evolução do contágio e a disponibilidade de leitos hospitalares serão critérios básicos para definir possíveis alterações regionalizadas e setoriais na quarentena.

A partir desse mapeamento, a estratégia de reabertura poderá ser orientada de formas distintas, de acordo com o impacto da Covid-19 nas diferentes regiões. Serão adotadas regras sanitárias rígidas para evitar aglomerações em estabelecimentos comerciais, quando reabertos.

Atualmente, a doença foi notificada em 241 dos 645 municípios paulistas, 100 dos quais têm pelo menos uma morte registrada.

Entre as vítimas fatais, estão 665 homens e 469 mulheres. A incidência maior de contaminação é em pessoas na faixa entre 30 e 40 anos.

As mortes por Covid-19 são mais frequentes em idosos acima de 60 anos (78,3%), com prevalência na faixa etária entre 70 e 79 anos (294 do total), seguida por 60 a 69 anos (256) e 80 a 89 (244).

Cardiopatias (61,4%) e diabetes (42,6%) estão no ranking dos fatores de risco associados aos óbitos.

O estado de São Paulo tem hoje 1.262 pacientes com diagnóstico confirmado para Covid-19 internados em enfermarias e 1.185 em leitos de UTI. Outros 2.448 com suspeita de infecção pelo novo coronavírus permanecem em enfermarias e 1.268 na UTI.

A taxa de ocupação de leitos dos hospitais estaduais por Covid-19 está 55,3% nas UTIs e 40,5% nas enfermarias. Na Grande SP, as UTIs chegam a 73,7% de ocupação e 63% nas enfermarias.

O Instituto Emílio Ribas (região central), que é referência no tratamento da Covid-19 e teve a UTI lotada pelo menos duas vezes na semana passada, tem hoje 93% de ocupação de leitos de UTI e 76% na enfermaria.

O Hospital das Clínicas (região central) também está com a UTI perto da capacidade máxima —92% dos leitos ocupados na UTI e 67% na enfermaria.

Os demais observados foram o Hospital de Pirajussara (70% na UTI e 90% na enfermaria) e Hospital Geral de Itapevi (60% na UTI e 73% na enfermaria).

Nesta terça (21), o governador João Doria disse em suas redes sociais que a fila de testes confirmação de Covid-19 represados até hoje seria zerada.

Durante entrevista à imprensa, o secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann, confirmou o fim da demanda reprimida. Nesta quarta (22), foram liberados 4.332 exames, e recebidos outros 459. Há 1.411 realizados, mas, ainda sem laudo, e 964 em análise. Os novos resultados deverão sair em 48 horas.

"O diagnóstico é ferramenta fundamental para estudo da evolução da epidemia em nosso estado", afirmou Doria.

A capital paulista tem 11.383 casos confirmados de Covid-19 com 919 mortes. Há ainda 44.144 casos e 1.442 óbitos em investigação.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.