Descrição de chapéu Coronavírus Fome na Pandemia

No vácuo de ações públicas, voluntários fazem 'operação de guerra' para doar marmitas em SP

Ações de pessoas comuns, de ONGs e de coletivos aumentaram durante quarentena

A produtora Mariana Calvo, 35, descarrega marmitas na tenda montada pelos franciscanos no Largo São Francisco

A produtora Mariana Calvo, 35, descarrega marmitas na tenda montada pelos franciscanos no Largo São Francisco Lalo de Almeida

São Paulo

A publicitária Mariana Calvo, 35, toca na portaria de um prédio na Saúde (zona sul de SP) e aguarda. Momentos depois, saem duas mulheres carregando pilhas de marmitas.

Mariana abre o porta-malas de seu Honda Fit ano 2014, ajeita as refeições para não caírem e segue para o próximo endereço. Logo, ela estará com 150 marmitas distribuídas entre o porta-malas e o banco traseiro, além de outras 150 no carro de amigos, a caminho do centro de São Paulo.

É só o começo da operação de guerra, como ela e amigos apelidaram a produção e distribuição em série de marmitas em tempos de coronavírus. Por semana, aproximadamente mil delas são entregues à população em situação de rua.

As medidas de isolamento, indicadas por especialistas para diminuir a transmissão do coronavírus, tiveram como consequência o fim da fonte de renda e de doações de parte da população, conforme a Folha vem mostrando na série Fome na Pandemia, dividida em cinco partes (veja os demais capítulos ao fim do texto).

Enquanto auxílios prometidos pelo poder público não chegam a uma grande parcela ou são insuficientes, a mobilização de pessoas comuns tem aliviado a fome de parte da população.

A entrega de marmitas, no caso de Mariana, começou por acaso. Atuante na área de eventos, ela e uma amiga, a chef Caroline Ribas, 35, se viram sem renda alguma após o início da quarentena. Resolveram, então, produzir refeições para vender e entregar pela cidade.

Um dia, parte do que produziram não foi vendido e resolveram distribuir a moradores de rua dos arredores da casa em que trabalham, na Vila Clementino (zona sul de SP). "Com muitas pessoas andando, moradores de rua podem acabar passando despercebidos. Mas, com a cidade vazia, é impossível. Para quem trabalha cozinhando, ter comida em casa e gente passando fome não dá", diz Caroline.

Mariana, que já atuou em projeto da prefeitura dentro de um dos maiores albergues da cidade, foi até o centro e percebeu que a situação era ainda pior do que imaginava. “A gente mandou em grupo de WhatsApp: tem muita gente passando fome, quem topa cozinhar?”, lembra a publicitária.

Tempos depois, já recebiam mensagens dos frades do Sefras (Associação Franciscana de Solidariedade), perguntando se conseguiriam entregar a comida, uma vez que os voluntários habituais sumiram nas primeiras semanas de quarentena. “Perguntavam se conseguiríamos entregar 50. A gente respondia: damos um jeito”.

O grupo tem três tipos de colaboradores: os que cozinham, os que entregam e os que fazem doações de comida ou dinheiro. Há atualmente 20 famílias que se comprometeram a cozinhar com regularidade. Na tampa das marmitas de isopor, muitas ainda deixam recadinhos.

A caminho do Largo São Francisco, Mariana para numa esquina. "Me passa por favor duas marmitas e duas águas. É que tem um casal aqui que mora aqui, com quatro cachorros", pede à reportagem. Ela desce do carro, entrega a comida para um homem e volta.

No celular, confere um aplicativo que contabiliza a meta de refeições a distribuir pelos franciscanos. “Hoje, o Sefras já bateu a meta de 1.200 refeições, com as nossas 300. Já tem 1.300”, comenta.

Quando para o carro em frente à Faculdade de Direito da USP, onde foi montado um drive-thru para os doadores, voluntários se apressam a pegar a comida e levar para o estande. Os carros com pessoas trazendo marmitas não param de chegar. A fila de pessoas com fome, centenas delas, não para de crescer.

Embora ações de governos tenham demorado a chegar, a percepção entre quem trabalha no combate à fome é que a mobilização da sociedade civil aumentou muito. Há uma dúvida sobre quanto tempo durará o impulso inicial e a certeza de que só as doações não serão suficientes.

Fundadora da ONG Banco de Alimentos, Luciana Quintão afirma que abril será o mês com mais doações em mais de duas décadas de atuação. “Em 22 anos de trabalho, doamos 10 milhões de quilos de comida. Nesse mês de abril, vamos conseguir doar 1 milhão de quilos de comida”, diz ela.

A ONG faz o que chama de colheita urbana, recolhendo alimentos em empresas e comércios, para distribuir a entidades que preparam os alimentos. Normalmente, a entidade consegue distribuir cerca de 40 toneladas por mês em alimentos. Para comportar o aumento na escala de trabalho, teve até que alugar um galpão.

Luciana afirma que a situação da pandemia tem que mudar a forma como o país trata a questão da fome. “Temos 52 milhões de pessoas no Brasil que vivem em insegurança alimentar. Antes da pandemia. Agora, a situação ficou mais difícil. Essa sociedade precisa evoluir”, disse.

Na periferia de São Paulo, onde a falta de renda para autônomos se juntou ao fim da merenda com escolas paradas, moradores e coletivos buscam saídas para aplacar a fome. Tudo em meio a um avanço ainda mais cruel do coronavírus nas regiões pobres da capital.

O coletivo Preto Império, da Brasilândia (zona norte de SP), mapeou famílias mais pobres para distribuir cestas de produtos orgânicos. Agora, como também há escassez de gás para cozinhar, começou a entregar marmitas, com outros coletivos, para uma população com alto índice de informalidade e desemprego.

"Além de ficar sem ter de onde tirar renda, eles também precisam se isolar para garantir a saúde de suas famílias. Precisamos garantir que eles tenham o que comer para que consigam ficar em casa. São poucas as pessoas na quebrada que podem trabalhar de casa. Vale dizer que a Brasilândia foi o distrito com o maior número de mortes por Covid-19 no último boletim da prefeitura", diz a jornalista Simone Freire, jornalista, integrante do coletivo.

INSPIRAÇÃO

A série de reportagens Fome na Pandemia, publicada pela Folha nas últimas semanas, também inspirou voluntários e empresários a agirem, doando alimentos ou oferecendo empregos.

No Jardim Papai Noel, um bairro pobre no extremo sul de São Paulo, a Folha mostrou que, sem merenda escolar devido à quarentena, a dieta de algumas crianças se resumia basicamente a arroz. Desde então, 768 cestas básicas já foram distribuídas ali, segundo a Associação Unidos Comunitária do Jardim Papai Noel.

Imigrantes, que relataram que vinham pulando refeições por falta de suprimentos, também contaram que agora há uma movimentação maior de grupos de ajuda.

A empresária Adriana Lucas de Melo Leitner, 41, resolveu contratar imigrantes sem emprego para produzir máscaras, após reportagem mostrar que parte dessa população, que atua na costura, ficou sem emprego.

Congolesa Sylvie Mutiene (à dir.) distribui cesta básica a outra imigrante
Congolesa Sylvie Mutiene (à dir.) distribui cesta básica a outra imigrante - Reprodução

“Tive a ideia de criar máscaras de tecido para superar essa crise porque minha única fonte de renda é a loja que está fechada. Mas não sabia onde contratar as costureiras porque não é nosso ramo de negócio. Lemos a reportagem e aí juntamos tudo: ‘Por que não fazer algo para ajudar a todos?’”, diz ela, que já produziu algumas centenas de máscaras, por meio dos serviços de estrangeiros da região do Bom Retiro.

Vinda do Congo há seis anos, Sylvie Mutiene, 37, também recebeu várias doações após ter sua história contada na Folha. Agora, ela se engajou em ajudar. “Comecei a receber mantimentos e resolvi dividir com quem está precisando também”, diz ela, que já doou cestas para oito famílias de imigrantes. “Vamos nos ajudar para vencer juntos”.

PARA DOAÇÕES

Sefras - aceita doações de mantimentos no largo São Francisco. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 11 97739-0146 ou no site da entidade

Missão Paz - Rua Glicério, 225, na entrada da secretaria, de segunda a sexta, das 9h às 11h e das 14h e às 17h. Antes de chegar, ligue para (11) 3340-6950

Preto Império - Coletivo tem financiamento coletivo para distribuir cestas de orgânicos. Informações: pretoimperio@gmail.com

Banco de Alimentos - Aceita doações pelo site. Telefone: (11) 3674-0080

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.