Descrição de chapéu Coronavírus

Número de casos de Covid-19 é sete vezes maior, estima primeiro grande estudo no Brasil

Cerca de 5.650 pessoas teriam anticorpo da doença, indica amostra do Rio Grande do Sul

São Paulo

O primeiro estudo brasileiro do alcance da infecção pelo coronavírus indicou que o número de infectados é pelo menos sete vezes maior do que aquele registrado oficialmente.

Cerca de 0,05% da população gaúcha deve ter sido contaminada, segundo testes realizados com uma amostra de 4.189 pessoas do Rio Grande do Sul, que tem cerca de 11,3 milhões de habitantes.

Assim, o número de pessoas que já teria sido infectada e desenvolvido anticorpos seria de 5.650. Nas contas do governo, que costuma testar apenas os casos mais sintomáticos ou graves da doença, o Rio Grande do Sul teria 747 casos.

O primeiro caso “oficial” gaúcho foi registrado no dia 9 de março, 12 dias depois do primeiro caso brasileiro, paulista. É possível que a taxa de subnotificação seja maior.

O projeto de pesquisa, o Epicovid19, é coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) e pelo governo gaúcho. Pesquisadores foram às casas sorteadas e coletaram uma amostra de sangue de um dos moradores, entre 11 e 13 de abril.

Serão feitas outras três rodadas de pesquisa, uma por quinzena, a fim de registrar a evolução da doença. Na semana que vem, começa um teste nacional, também coordenado pela Ufpel. Cerca de 33 mil pessoas serão testadas a cada duas semanas.

“Em resumo, para cada 1 milhão de habitantes no Rio Grande do Sul, estima-se que existam 500 casos reais de Covid-19, apenas 66 casos notificados e 1,2 mortes”, diz o relatório do estudo. Nas “nove cidades utilizadas na pesquisa, para cada caso notificado, existem ao redor de quatro casos não notificados”.

Mais pessoas podem estar infectadas, além das estimadas 5.650 estimadas pelo estudo —leva dias até o que os contaminados pelo coronavírus desenvolvam anticorpos (em geral, 14 dias depois da contaminação).

Com esses dados, é possível também estimar quantas infecções são assintomáticas ou “subclínicas” e ter dados para cálculos mais precisos de letalidade (porcentagem de mortos entre os infectados), conta o epidemiologista e reitor da Ufpel, Pedro Hallal, coordenador do trabalho.

O estudo foi financiado pelo Instituto Serrapilheira, pela Unimed Porto Alegre e pelo Instituto Cultural Floresta. Os testes foram fornecidos pelo governo federal.

As cidades estudadas foram Porto Alegre, Canoas, Pelotas, Caxias do Sul, Santa Cruz do Sul, Santa Maria, Passo Fundo, Ijuí e Uruguaiana, onde vive cerca de 31% da população estadual.

A pesquisa verificou também que 20,6% dos entrevistados disseram sair de casa diariamente; 58,3% relataram sair apenas para atividades essenciais (ir ao supermercado, farmácia etc.) e 21,1% relataram ficar em casa o tempo todo. Entre os idosos de 60 anos ou mais, 35,9% relataram ficar em casa o tempo todo.

Conclusão preliminar? “A tendência é que os números aumentem nas próximas fases, mas a velocidade desse aumento depende das medidas de distanciamento social a serem implementadas. Com base nas melhores evidências científicas disponíveis, é recomendado que as medidas de distanciamento social vigentes no estado devem ser mantidas”, diz o relatório dos pesquisadores.

Os coordenadores do estudo lembram ainda que, “embora a margem de erro geral da pesquisa seja baixa (0,5 ponto percentual), prevalências pequenas, como a observada nessa primeira fase do estudo, devem ser interpretadas com cautela”.

Com dados mais precisos a respeito do avanço da doença, é possível fazer projeções do avanço da epidemia, descobrir quais são as regiões mais atingidas do país e planejar as medidas de contenção da epidemia.

Com os números do levantamento e estudos dos epidemiologistas, será possível decidir com base em dados científicos a necessidade de isolamentos: de que tipo, onde e até quando devem ser implementados. No fim das contas, com tais informações será possível decidir quando os brasileiros aos poucos poderiam voltar a suas atividades rotineiras.

Com a estimativa do número real de infectados, de doentes evidentes e de assintomáticos, será possível projetar ainda quantas UTIs, ventiladores e outros equipamentos serão necessários para tratar os doentes em cada região.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.