Descrição de chapéu Coronavírus

Sem respaldo científico, cloroquina também é defendida por Maduro na Venezuela

Menos de um dia após publicação do ditador, ministro da Saúde brasileiro pede demissão, pressionado por Bolsonaro a respeito do remédio

São Paulo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não está sozinho em sua defesa inabalável da cloroquina para o tratamento da Covid-19 apesar da falta de evidências médicas que o respaldem.

Nesta quinta-feira (14), o ditador Nicolás Maduro publicou em rede social um agradecimento aos profissionais da saúde e de pesquisa da Venezuela pelo uso da cloroquina contra o novo coronavírus. "Com eles [cientistas e médicos], avançamos na produção de difosfato de cloroquina, um medicamento eficaz para o tratamento contra a Covid-19. Sim, nós podemos, Venezuela", escreveu.

No mesmo dia, o presidente da Assembléia Nacional Constituinte da Venezuela, Diosdado Cabello, ameaçou pesquisadores após a publicação de um estudo que indicava subnotificação de casos de coronavírus no país.

Não é a primeira vez que o ditador venezuelano cita tratamentos que não têm respaldo na literatura médica.

Em março, Maduro recomendou em publicação uma mistura de ervas como antídoto para o coronavírus. Segundo ele, três estudos indicavam eficácia do uso de capim-santo, sabugueiro, gengibre, pimenta-do-reino, limão e mel de abelha. A publicação foi apagada pela rede social por conter informações falsas.

14.fev.2020 - O ditador venezuelano,  Nicolás Maduro
14.fev.2020 - O ditador venezuelano, Nicolás Maduro - Yuri Cortez/AFP

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (sem partido) também faz lobby pelo uso da cloroquina contra o novo coronavírus.

A insistência do presidente para fazer do uso da cloroquina uma política pública contra a Covid-19 levou o ministro da Saúde Nelson Teich a pedir demissão nesta sexta (15), menos de um mês após ter assumido o cargo.

A gota d'água para Teich teria sido um ultimato do presidente para que ele se alinhasse à opinião de Bolsonaro de que o remédio é eficaz contra a doença. Teich teria se recusado a apoiar o presidente quanto à adoção do remédio e optou por deixar o governo.

Seu antecessor, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, também não aceitou defender a cloroquina e foi demitido por Bolsonaro.

Além de não haver indícios de que a droga realmente funcione contra o coronavírus, há também estudos publicados nas melhores revistas científicas do mundo cujos resultados apontam que o uso do fármaco pode causar arritmia cardiaca e levar à parada do coração.

O resultado de um dos maiores estudos sobre a cloroquina, publicado na revista Jama (Journal of the American Medical Association) e realizado com 1.438 pacientes, revelou que não há redução de mortalidade de pessoas infectadas com coronavírus nem quando a droga é associada a azitromicina.

Outro estudo, este publicado no The New England Journal of Medicine, estudou a eficácia do remédio em 1.376 pacientes e concluiu que não foram encontradas evidências que comprovem a influência da droga na redução de mortes e intubações causadas pela Covid-19.

Até o momento, a Venezuela tem, oficialmente, 455 casos confirmados da doença e pelo menos dez mortos, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. O Brasil, segundo o Ministério da Saúde, contabiliza mais de 202 mil casos confirmados e quase 14 mil mortes.

Os estudos sobre uso da cloroquina contra o coronavírus

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.