Descrição de chapéu Coronavírus

Com flexibilização, ocupação de UTIs chega a 90% em Minas

Apesar da baixa testagem, estado tem alta exponencial em casos confirmados de Covid-19

Belo Horizonte

Com a flexibilização da economia nas últimas semanas, Minas Gerais viu uma alta exponencial nos casos confirmados do novo coronavírus, registrou aumento na ocupação de leitos de UTI e saiu da tranquilidade em que parecia estar, em comparação a outros estados.

Apesar de ver chances de lockdown em algumas cidades, Romeu Zema (Novo) descartou um decreto estadual. Na quarta (24), o governador avaliou o estado como segundo mais seguro do país.

“Esse sucesso acabou, de certa maneira, por ser interpretado como se o jogo já tivesse acabado e fosse hora de comemorar. Não é”, declarou.

Funcionário de empresa privada higieniza casa em Belo Horizonte (MG)
Funcionário de empresa privada higieniza casa em Belo Horizonte (MG) - Douglas Magno - 26.jun/AFP

Uma semana antes, ele afirmou temer a possibilidade do estrangulamento do sistema de saúde em um mês. Em 19 de junho, Minas chegou a 600 mortes confirmadas; na última sexta, eram 833.

Segundo estado mais populoso, com 21 milhões de pessoas, Minas atingiu 87,9% de ocupação total de UTIs na sexta —16,8% com casos relacionados ao novo coronavírus. No dia anterior, encostou em 92%. Dos 853 municípios, 674 tiveram casos e 205, mortes.

O cenário conta ainda com subnotificação e baixa testagem. Um projeto da UFMG que monitora a presença do vírus na rede de esgoto obteve resultado positivo em 100% das amostras coletadas, estimando que mais de 50 mil pessoas já foram infectadas em Belo Horizonte. O boletim do estado de sexta aponta 4.868 casos na capital.

No final de maio, em entrevista ao canal MyNews, Zema afirmou que havia capacidade ociosa de testes no estado. “Como o recurso é pouco, estou aplicando muito mais em UTIs que salvam vidas, do que em testes que tiram a curiosidade de acadêmicos.”

São testados em Minas casos de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) hospitalizados, mortes suspeitas, profissionais de saúde e segurança pública com sintomas, presos, população indígena em aldeias, amostras de pessoas com síndrome gripal ou SRAG em unidades sentinela e em locais com surtos.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, a média em Minas é de 1.011 testes a cada 100 mil habitantes —considerando todos os testes realizados ou notificados, nas redes pública e privada, incluindo moleculares e sorológicos.

Contando apenas testes RT-PCR, o tipo mais confiável, a média cai para 440 por 100 mil habitantes —157 por 100 mil na rede pública.

Minas recebeu 783.960 testes rápidos do governo federal, mas foram notificados 119.974, somando rede pública e privada, segundo a secretaria. Dos 150 mil testes RT-PCR adquiridos pela gestão Zema, 50 mil foram entregues.

A justificativa do governo para não ampliar a testagem até então, apesar de ter testes disponíveis, é evitar que falte mais a frente, devido a alta demanda no mercado mundial.

“Teste é ferramenta de vigilância epidemiológica, não é para satisfazer curiosidade. É necessário para fazer a contenção da doença”, afirma Natália Pasternak, microbiologista e presidente do Instituto Questão de Ciência.

Eles deveriam ser requisito para definir reabertura, diz Alessandro Farias, imunologista e professor da Unicamp.

“Testar é a base de qualquer coisa. Se você quiser abrir, tem que testar. Se você não quiser fechar, tem que testar. Se quiser fechar, tem que testar.”

A subnotificação de casos em Minas é apontada por pesquisadores com base nos números crescentes de SRAG. As internações pela síndrome tiveram aumento de 797% comparado ao ano passado.

O secretário de saúde, Carlos Eduardo Amaral, afirma que nem toda SRAG é infecção pelo Sars-CoV-2 e que há um aumento na sensibilidade da rede de saúde para notificar casos do tipo, seguindo orientação do Ministério da Saúde.

O governo divulgou uma redução de 8,5% nas mortes por doenças respiratórias comparado a 2019, mas uma pesquisa da UFU (Federal de Uberlândia) aponta aumento de 758% nas mortes por SRAG em 2020, comparado à média histórica de 2017, 2018 e 2019, que foi 179 mortes. No período entre janeiro e a segunda semana de junho foram registradas 1.540 mortes.

A pesquisa leva em conta duas bases de dados públicos, o Sinan (Sistema de Informação de Agravo de Notificações do Ministério da Saúde), através do Infogripe da Fiocruz, e registros da Arpen (Associação dos Registradores de Pessoas Naturais), consultada também pelo governo. O estudo aponta que há divergências entre elas.

“As mortes fogem dos padrões anteriores”, avalia o professor de Medicina da UFU, Stefan Vilges de Oliveira, que coordena a pesquisa. “Sensibilidade [de notificação] pode ser um dos elementos, mas nesse volume, não é só por isso. No futuro, a gente vai entender um pouco mais. Hoje estamos no meio do furacão.”

Apesar da afirmação do governo de que todas as mortes são testadas, Oliveira explica que o período entre os primeiros sintomas e a realização do teste, além de outros fatores, pode interferir na detecção da infecção.

A maior circulação do vírus pode estar ligado à flexibilização, decisão que cabe aos prefeitos, já que o Minas Consciente, protocolo do estado, não tem adesão obrigatória.

A partir desta segunda (29), BH retorna para a fase em que só podem abrir serviços essenciais. A PM fiscaliza uso de máscara e distanciamento social em todo o estado.

Para tentar evitar sobrecarga no sistema hospitalar, o governo Zema ativou novos leitos, mudou o gestor da área e passou a rastrear vagas em tempo real, com um escritório especial. Dos 1.047 respiradores comprados, 390 foram recebidos até semana passada.

Desde o início da pandemia foram feitos 23 chamados emergenciais na rede estadual e contratados 382 profissionais de saúde.

“A cada expansão de leitos temos que contratar na rede pública. A gente consegue, mas não está fácil”, diz Amaral.

A previsão para o pico da epidemia no estado é o dia 15 de julho, o que representaria uma contaminação ocorrida entre 14 e 21 dias antes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.