Vídeo distorce informação ao dizer que novo coronavírus existe desde 2003

Gravação usa reportagem antiga sobre o vírus que causou o surto da Sars

São Paulo

É enganoso o vídeo que circula nas redes sociais com a afirmação de que o vírus que provoca a Covid-19 existe desde o início dos anos 2000. O autor da gravação verificada pelo Comprova, mostra a capa e as páginas de uma reportagem da revista “Saúde É Vital” de 2003. Diferentemente do que a pessoa diz, a matéria, com o título “Ainda não dá para respirar aliviado”, trata do vírus que causou o surto da Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars) há 17 anos –e não do Sars-CoV-2, ou novo coronavírus.

Em março, logo depois que o vídeo viralizou pela primeira vez, o portal “Veja Saúde”, lançado em maio a partir da união das revistas “Saúde É Vital” (que não circula mais) e “Veja”, da editora Abril, publicou um comunicado em que esclarece o erro. A mensagem ainda afirma que o vídeo “pode levar a conclusões erradas”.

Em laboratório, uma pessoa segura equipamento de pesquisa para elaboração de vacina contra a Covid-19
O vírus é mutável, e pesquisadores trabalham para encontrar uma vacina contra o que causa a Covid-19 - Nicolas Asfouri/AFP

O Comprova conversou, por telefone, com Luiz Claudio Rocha de Carvalho, divulgador musical conhecido como Lula Zeppeliano. Foi a partir da repostagem que ele fez do vídeo que o conteúdo viralizou pela segunda vez. À época, Carvalho foi avisado sobre o material enganoso e achou que tivesse retirado o vídeo do ar. Logo após a entrevista com o Comprova, ele apagou o post de sua página no YouTube.

O conteúdo foi verificado porque o Comprova investiga materiais suspeitos que, como este, apresentam grande alcance nas redes sociais.

A investigação desse conteúdo foi feita por Folha, UOL, A Gazeta e Diário do Nordeste e publicada na sexta-feira (19) pelo Projeto Comprova, coalizão que reúne 28 veículos na checagem de conteúdos sobre coronavírus. Foi verificada por Estadão, SBT e Jornal do Commercio.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.