Descrição de chapéu Coronavírus

Governadores do Sul anunciam força-tarefa contra a pandemia e cobram vacinas

Ocupação de leitos fica em torno de 90% nos três estados; apenas Porto Alegre ainda tem imunizantes

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Curitiba

Enfrentando o pior momento da pandemia, os governadores dos três estados do Sul do Brasil anunciaram a criação de um grupo de trabalho para discutir medidas contra a Covid-19 e de um boletim unificado para acompanhar o avanço da doença no Paraná, no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina.

Após reunião por videoconferência na terça-feira (23), os três chefes do Executivo também encaminharam um ofício ao Ministério da Saúde pedindo maior atenção à situação local, com a disponibilização de medicamentos necessários nas UTIs, custeio de mais leitos e distribuição das vacinas –já que a aplicação está paralisada em duas das três capitais, por falta de doses.

“Temos um perfil socioeconômico e climático semelhante e observamos um comportamento parecido da pandemia nos três estados. A reunião foi de troca de experiências e de estratégias. Tanto o Paraná como Santa Catarina têm percebido a mesma mudança de perfil nos pacientes e o crescimento acelerado no número de casos e de internações pela doença”, escreveu o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), no Twitter.

A ocupação de leitos começou a subir rapidamente no estado gaúcho desde a semana passada. Nesta terça, 87% das UTIs para adultos estavam com pacientes. O índice ultrapassou os 96% na área central do estado e chegou a 90% em Porto Alegre e região metropolitana.

Filas se formaram nas unidades de pronto-atendimento da capital nos últimos dias – em ao menos três delas, a superlotação ultrapassa os 300%. Apesar de atingir índices que exigiriam bandeira preta, a mais restritiva nas medidas contra a pandemia, Porto Alegre adotou a bandeira vermelha desde terça.

Paciente com Covid é atendido na UTI da Santa Casa de Porto Alegre - Silvio Avila - 10.dez.20/France Presse

Quase 70% do estado, incluindo a capital, está em risco gravíssimo para a doença. Nesses locais, o governador mandou suspender as atividades não essenciais entre 20h e 5h. Mesmo assim, as aulas presenciais estão permitidas nos primeiros anos escolares.

No Paraná, o cenário começou a se agravar mais rapidamente depois que, na semana passada, foi confirmada a circulação da variante amazonense do novo coronavírus. Entre segunda e terça, houve recorde de registro de mortes em um único boletim: 136, de um total de 11 mil.

A taxa média de ocupação de leitos está em 92% no estado. Restam apenas 105 UTIs para adultos em todo o Paraná. Nos últimos dez dias, houve um aumento de 600% no movimento das centrais de regulação de leitos.

Em Curitiba, nesta terça-feira, restavam apenas 37 vagas em UTIs –cerca de 10% do total. “A gente está à frente de uma nova onda, provavelmente a terceira onda. [...] Acudimos Manaus e Rondônia e parece que agora chegou a nossa vez. O pós-carnaval mostrou a sua cara”, disse a secretária municipal de saúde, Márcia Huçulak.

A situação é ainda mais crítica no oeste do Paraná, que está com 97% das UTIs ocupadas. Em Foz do Iguaçu, cidade que faz fronteira com Paraguai e Argentina, os internamentos por Covid-19 dobraram desde o início do mês, levando à superlotação de algumas unidades.

Cerca de 60% dos atendimentos são de cidadãos paraguaios ou de brasileiros que moram no país vizinho, o que levou a Secretaria Municipal de Saúde a pedir ao governo federal a habilitação de leitos e a instalação de uma barreira sanitária na Ponte de Amizade, que liga os países.

Na última sexta (19), o município restringiu a circulação entre 23h e 5h, proibiu eventos com mais de dez pessoas e intensificou a fiscalização para combater eventos clandestinos.

O recrudescimento das vistorias também foi anunciado pelo governador Ratinho Jr. (PSD), que não exclui a possibilidade de adoção de medidas mais duras contra a pandemia em todo o estado. Apesar de manter o toque de recolher entre 0h e 5h desde o começo de dezembro, o governo tem deixado eventuais regras mais rígidas a cargo dos municípios.

“Estamos estudando as medidas necessárias e a ideia é evitar qualquer tipo de prejuízo econômico. Trabalhamos com esse equilíbrio desde o começo da pandemia e vamos manter isso. Mas temos que ter o cuidado para não deixar o sistema colapsar”, afirmou o governador.

Já em Santa Catarina, onde a ocupação de leitos está em 95%, novas ações de enfrentamento à pandemia devem ser apresentadas pelo governo, como a restrição de horários de circulação de pessoas.

A gestão de Carlos Moisés (PSL) anunciou a ampliação de 110 novos leitos de UTI em diversas regiões catarinenses e abriu 165 leitos clínicos de retaguarda para Covid-19 na região Oeste, a que mais vem sofrendo com o impacto da pandemia no sistema de saúde.

Pacientes com Covid vindos de Porto Velho, capital de Rondônia, desembarcam em Porto Alegre - Felipe Dalla Valle -27.jan/ Palácio Piratini

O prefeito de Chapecó, maior município da região, esteve em Brasília reunido com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na terça. João Rodrigues pediu a antecipação de 100 mil vacinas para a cidade, suficiente para aplicar uma dose em quase metade da população local. Do governo federal, recebeu a promessa de repasse de 100 mil testes para Covid-19.

Defensor do chamado “tratamento precoce” contra a Covid-19 e relutante quanto a medidas de prevenção à doença, Rodrigues anunciou na segunda-feira (22) um novo decreto estabelecendo toque de recolher no municípios das 22h às 5h e fechando o comércio, academias, lotéricas, parques e praças.

A medida, que vale por cinco dias, ocorre diante da lotação dos hospitais e da unidade de pronto-atendimento, mesmo com a duplicação de leitos de UTIs nos últimos dias.

“Não sou favorável ao lockdown, mas, diante do cenário, consultando integrantes do Comitê de Enfrentamento à Covid, resolvemos fechar algumas atividades. São só cinco dias, se diminuir o contágio a gente volta. Temos que fazer tudo o que for possível para dar uma freada no vírus. Essa é uma situação que não é só Chapecó que está vivendo”, disse Rodrigues.

Mesmo com risco de colapso nos sistemas de saúde, a vacinação contra a Covid-19 segue parada em duas das três capitais do Sul. Apenas Porto Alegre ainda está aplicando o restante das primeiras doses que recebeu (cerca de 20% do total) na população acima de 83 anos. Ainda não há previsão de fornecimento de mais imunizantes para os estados.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.