Descrição de chapéu Coronavírus itamaraty

Sem base científica, Ernesto diz que é 'normal' alta de casos após vacinação

A investidores nos EUA ministro pinta quadro otimista sobre a Covid e diz que pessoas estão revoltadas contra lockdown

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) afirmou nesta sexta-feira (5) que é “normal” que o número de casos de Covid-19 tenha um aumento significativo após o início da vacinação em massa, mas que os casos irão cair abruptamente em duas ou três semanas no Brasil.

O chanceler afirmou que isso ocorreu em outros países e que o Brasil deve seguir essa curva. No entanto, não existem estudos relevantes nem países que apontem para isso.

O ministro Ernesto Araújo, no Itamaraty - Adriano Machado - 2.mar/Reuters

Respondendo a perguntas após discurso online de quase 45 minutos para o Council of the Americas, Ernesto disse também que as pessoas querem a vacina, mas as pessoas também querem voltar a trabalhar.

“Tem uma forte pressão popular contra o lockdown proposto por alguns governadores”, disse o ministro. “O sentimento popular é que precisamos voltar ao trabalho; as coisas vão estar muito melhores nas próximas semanas, tenho certeza.”

Ernesto também se mostrou otimista em relação ao sistema de saúde brasileiro, onde inúmeros hospitais já têm filas de espera para leitos de UTI por estarem sobrecarregados com pacientes com Covid.

“O sistema de saúde está sob estresse, mas está aguentando bem”, disse. “Tem falta de UTI em alguns estados, mas, no geral, está indo bem;”

Ele disse que a vacinação no Brasil, onde 3,6% da população foi vacinada, está devagar em comparação a Israel (92,5%) e Estados Unidos (23,2%), mas, que na Europa, só foram vacinadas cerca de 5% das pessoas (o número real é 8%, segundo levantamento Our World in Data, da Universidade de Oxford).

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.