Descrição de chapéu Agora

No São Paulo, Tiago Volpi busca titularidade incerta desde Rogério Ceni

Com fama de pegador de pênaltis, goleiro chega ao clube após jogar no futebol mexicano

Alberto Nogueira
São Paulo | Agora

“Você foi capaz de nos fazer acreditar que homens podem voar”. Assim o Querétaro (MEX) despediu-se, em vídeo, do goleiro Tiago Volpi, anunciado no último domingo (23) como novo reforço do São Paulo.

O jogador de 28 anos, que se tornou herói da equipe mexicana, chega ao clube por empréstimo de um ano e com a difícil missão de preencher o vazio que existe no gol do time desde a aposentadoria de Rogério Ceni, no final de 2015.

“É a realização de um sonho. O São Paulo é mundialmente reconhecido pela sua grandeza, e todo esse peso do clube me fez tomar essa decisão. Existiam outras possibilidades, mas quando recebi o convite do São Paulo não pensei duas vezes”, disse ao site oficial do time.

Tiago Volpi em ação pelo Querétaro, do México
Tiago Volpi em ação pelo Querétaro, do México - Divulgação/Querétaro

Natural de Blumenau (SC), Volpi chegou ao Querétaro, no qual Ronaldinho Gaúcho também atuou, em 2015 e após três anos no Figueirense. Ele entrou para a história da equipe mexicana ao ser um dos grandes responsáveis pelas conquistas inéditas da Copa do México (2016) e da Supercopa do México (2017).

Com 1,88 m de altura, destacou-se pelas atuações seguras e por se mostrar um exímio pegador de pênaltis. Foram 11 penalidades defendidas no período em que esteve no México. Quando foi preciso, também converteu cobranças a favor do time, como na semifinal e na final da campanha que culminou no título da Copa do México.

No São Paulo, o catarinense terá a concorrência de Jean, que terminou a temporada como titular, e de Lucas Perri, de apenas 21 anos, tratado como enorme promessa.

Caso consiga mostrar o bom desempenho dos tempos de Figueirense e Querétaro, Volpi poderá fazer o torcedor do São Paulo finalmente se contentar com o dono da posição, algo que não acontece desde a aposentadoria de Rogério Ceni.

De lá para cá, quatro goleiros tentaram se estabelecer no gol do clube.

Denis, goleiro do Figueira em 2018, era tido como substituto natural de Ceni, mas sua irregularidade o impediu de ir além da temporada 2016, quando atuou 68 vezes e sofreu 70 gols.

Outro que estava no clube desde a época de Ceni e teve oportunidades foi Renan Ribeiro, hoje no Sporting (POR), que chegou a ser titular quando o ex-goleiro era técnico do São Paulo, mas também não se firmou.

 

Sidão, que jogará pelo Goiás em 2019, tinha o aval de Ceni em 2017, mas sofria críticas da torcida por não manter um padrão de boas atuações. No final do Brasileiro deste ano, já era reserva de Jean.
 

Goleiros depois de Rogério Ceni


Denis, 31
Teve a difícil missão de ser o substituto imediato de Rogério Ceni, aposentado no final de 2015. Em 2016, Denis atuou em 68 partidas e foi vazado em 70 oportunidades. Contestado por algumas falhas, chegou a revezar a titularidade com Sidão no início do ano seguinte, sob o comando de Ceni. No entanto, acabou preterido e não teve seu contrato renovado. Na última temporada, defendeu o Figueirense.

Renan Ribeiro, 28
Atualmente no Sporting (POR), ele foi inicialmente terceiro goleiro, reserva de Ceni e Denis em 2015. Pouco aproveitando em 2016 (jogou três partidas), teve seu melhor momento no clube na temporada seguinte, quando atuou 30 vezes, muito em razão da má fase de Denis. Mesmo assim, não teve seu contrato renovado e acabou indo para o português Estoril Praia.


Sidão, 36
Chegou ao clube no início de 2017 por indicação de Ceni. No começo, dividiu o posto de goleiro titular com Denis, mas em pouco tempo se firmou na vaga. Contudo, sofreu com a má fase do time, que lutou naquela temporada para sair da zona de rebaixamento. As críticas da torcida pesaram, e ele viu o reserva Renan Ribeiro ganhar oportunidades com o técnico Dorival Junior. Já em 2018, ele atuou em 46 partidas, 25 a mais do que o colega de posição, Jean, com quem se desentendeu ao longo da temporada. O goleiro, no entanto, nunca teve a confiança do torcedor sequer foi titular indiscutível da equipe. Em 2019 jogará pelo Goiás.

Jean, 23
Chegou do Bahia no início de 2018 com status de titular. Teve problemas de relacionamento com Sidão, que se tornaram públicos, e amargou a reserva em boa parte da temporada. Foram apenas 18 jogos como titular. Apesar disso, ganhou a posição do colega ainda sob o comando do ex-técnico Diego Aguirre e fechou o ano como dono da meta. Para 2019, ganha a concorrência de Volpi.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.