Natalia, a menina do laço, vai jogar com garotos no Avaí

Ela foi a primeira jogadora aprovada em uma peneira de categorias de base masculinas no Brasil

Natalia com a camisa 14, seu número favorito, e um de seus mais de cem laços de cabelo
Natalia com a camisa 14, seu número favorito, e um de seus mais de cem laços de cabelo - Eduardo Knapp/Folhapress
Alex Sabino
São Paulo

"Se fosse menino, já estaria nas categorias de base de algum clube."

Natalia, 9, ouviu o comentário na escolinha em que joga futebol em Florianópolis.

"E por que não estou?"

"Porque você é menina."

"E daí?"

Por jamais aceitar "não" como resposta, ela se tornou a primeira garota aprovada em uma peneira de futebol masculino no país. A partir de março, Natalia vai treinar e jogar pelo sub-11 do Avaí, clube da Série A do Brasileiro.

Não que o futebol seja passatempo para ela. É obsessão. Enfiadas em um banheiro de sua casa estão as mais de 40 bolas que ganhou (e as continua pedindo de presente).

Não se cansa de, nas horas em que não está jogando, importunar o irmão Vinícius, 12, para trocar passes na quadra do prédio onde moram.

"Eu não largo a bola. É meu brinquedo favorito", ela diz.

A mãe, a empresária Karyna Pereira, é mais específica.

"É o único brinquedo que ela gosta."

A coleção de bolas só perde para a de laços. Elétrica o tempo inteiro, sem parar um segundo nem para posar para fotos a pedido da Folha, Natalia sempre joga com um laço nos cabelos. Não há chance de entrar em campo sem ele.

"Não sei quantos tenho. Mais de 100. Uma vez fiz meu pai voltar do meio do caminho para um jogo porque eu tinha esquecido de pegar o laço em casa", lembra.

É com o adereço na cabeça que ela vai começar no Avaí, seu time do coração.

"Já pedimos para a federação catarinense autorizar que a Natalia atue em partidas do sub-11 com os garotos. Creio que vão autorizar. Até os 13 anos ela vai poder jogar [no masculino]. Depois disso, acho que a diferença física fica mais acentuada", afirma o presidente do clube, Francisco José Battistotti, 69.

 

Com a camisa azul e branca do time, talvez ouça os meninos serem cobrados por pais e familiares. Algo que ela se acostumou a escutar desde que começou a participar de treinos e jogos de base.

"Vai perder a bola para uma menina?"

"Alguém pega essa menina!"

Nada que a preocupe.

"A Natalia é muito determinada. Ela não dá a mínima importância para o que os outros pensam ou dizem", diz a mãe.

Foi por causa disso que convenceu os outros do seu talento. A mãe reagiu com um “ah, tá bom...” de descrença na primeira vez que ouviu o pai da garota, Fabiano Linhares dizer que a “guria” tinha chute forte.

O avô materno Roberto Pereira também tinha certa descrença. Hoje, a família tem um vídeo em que Natalia faz um gol e se ouve o grito dele comemorando o feito da neta.

"Ela não tem noção do que é ser a primeira menina aprovada em um teste para garotos. O Avaí foi vencido pelo cansaço, pela nossa insistência. Quando chegou a hora do teste, nunca vi tanta criança junta na vida. Foram aprovados 24 meninos e a Natalia", relembra Karyna.

"Vamos quebrar um paradigma", concorda Battistotti.

Todas as crianças tinham mais ou menos o mesmo tamanho na avaliação do Avaí. Mas só Natalia usava o laço no cabelo.

Mesmo com treinos no time catarinense, ela pretende continuar atuando pelo Centro Olímpico, em São Paulo.

Ela e a mãe viajam para a capital paulista uma vez por mês para três treinos no clube. 

Os técnicos da única instituição com equipe feminina sub-11 do país não queriam dar chance a Natalia. Diziam que ela era nova demais. Seria melhor esperar. Até que Karyna mandou um vídeo.

"Quando a viram jogando, chamaram para avaliação. Ela não saiu mais do time", afirma a mãe, que a acompanha para todos os lados.

Natalia Pereira joga bola quase todos os dias da semana e agora treinará com garotos no Avaí
Natalia Pereira joga bola quase todos os dias da semana e agora treinará com garotos no Avaí - Eduardo Knapp/Folhapress

Hoje em dia, ela frequenta a escolinha franqueada do Avaí. Também atua pela ADIEE (Associação Desportiva do Instituto Estadual de Educação) em Florianópolis. Isso significa que a menina joga futebol quase todos os dias da semana.

Não que ela reclame.

"Gosto de driblar. Gosto bastante, mesmo que sejam meninos. É uma sensação boa", afirma a pequena jogadora.

Também no discurso, ela lembra um boleiro.

"Não tenho nenhum gol mais bonito ou preferido. Gosto de todos. Bom mesmo é fazer gol", completa.

A família desconfia que a resposta seja sim, mas evita pensar se Natalia vai querer continuar no futebol no futuro. Está definido que, por mais que ela leve a sério, o esporte por enquanto será só um passatempo. Até os 12 anos, ela vai apenas brincar.

Já existem ofertas. Um empresário ligou para saber se os pais não estavam interessados em levá-la para fazer um teste no exterior. Também há a possibilidade de o futebol lhe proporcionar uma bolsa universitária nos Estados Unidos.

É algo ainda muito distante. A realidade agora é ser jogadora das categorias de base do Avaí. Era tudo o que Natalia sonhava. "Ela é assim. Gosta de competir", diz Karyna.

As camisas com o número 14 --o seu favorito-- e o nome "Nati" às costas ela já tem, assim como a chuteira colorida, caneleira e meiões de profissionais. Além do seu item preferido: o laço para o cabelo.

Karyna até ri quando é perguntada se não tem medo que a filha se machuque por jogar contra meninos.

"Eu tenho nove anos e nove ossos quebrados", responde Natalia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.