Descrição de chapéu Velocidade

Sem garantias, plano de Bolsonaro para F-1 no Rio gera conflito com SP

Presidente ignora contrato de Interlagos e diz que Deodoro receberá GP em 2020

Italo Nogueira Daniel E. de Castro
Rio de Janeiro e São Paulo

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinou nesta quarta-feira (8) um termo de cooperação com o objetivo de levar as provas de F-1 do país, que atualmente são realizadas em São Paulo, para o Rio de Janeiro.

De acordo com ele, a expectativa é que a prova do ano que vem já seja realizada na cidade.

“A direção da F-1 resolveu, após a eleição do ano passado, tendo em vista quem foi eleito na região que interessava para eles, manter a possibilidade de termos a F-1 no Brasil. São Paulo, como havia participação pública, uma dívida enorme, tornou-se inviável a permanência da F-1 lá", ele afirmou, sem explicar a qual dívida fez referência.

"O autódromo [no Rio de Janeiro] será construído em seis, sete meses após o início das obras. De modo que, por ocasião da F-1 do ano que vem, ela será no Rio”, completou.

Até o momento, porém, não existem garantias de que isso acontecerá, já que a Prefeitura de São Paulo possui contrato para realizar o GP de Interlagos até 2020.

Outro empecilho seria a realização das obras. Diferentemente do que disse Bolsonaro, a última versão do edital dá como prazo para a construção do autódromo de Deodoro 24 meses.

“Há um contrato vigente para a realização do GP Brasil de F-1 com a cidade de São Paulo até 2020. E ambas as partes continuam honrando seus compromissos", disse em nota a Interpub, responsável pela organização do GP Brasil.

A Prefeitura de São Paulo reafirmou a intenção, já manifestada pelo prefeito Bruno Covas e pelo governador João Doria, ambos do PSDB, de renovar o contrato que vence no próximo ano.

Atualmente, a privatização de Interlagos está congelada, à espera do início das discussões sobre a Operação Urbana Jurubatuba na Câmara Municipal de São Paulo.

"Inclusive já estão ocorrendo as tratativas para renovação ainda em 2019. Além disso, o autódromo de Interlagos é o único do Brasil que possui certificação para realizar a prova de F-1", afirmou a prefeitura por meio de nota.

Segundo a Interpub, Interlagos é o único circuito da América do Sul "nível 1", conforme a denominação adotada pela Federação Internacional de Automobilismo. Ou seja, apto a receber corridas da categoria.

Na temporada 2019 da F-1, nenhum país sediará mais de uma prova. Isso já ocorreu no passado, por exemplo com Alemanha e Espanha, que também receberam os chamados GPs da Europa.

Projeto do autódromo na região de Deodoro, no Rio de Janeiro
Projeto do autódromo na região de Deodoro, no Rio de Janeiro - Reprodução

O novo autódromo do Rio de Janeiro, com capacidade para 130 mil pessoas, será construído em Deodoro, em uma área de propriedade do Exército que foi cedida. Ela teve de ser descontaminada porque havia artefatos explosivos enterrados no local.

A previsão é que a construção do autódromo, que segundo Bolsonaro levará o nome de Ayrton Senna, custe R$ 697,4 milhões. O investimento será a cargo da iniciativa privada, que poderá explorar o espaço comercialmente.

"Após nossa vitória nas eleições, a F-1, que iria embora do Brasil, decidiu não só permanecer, mas também construir um novo autódromo no RJ, que terá o nome do ídolo Ayrton Senna. Com isso, milhares de empregos serão criados, beneficiando a economia e a população do estado", afirmou o presidente em sua conta no Twitter.

O vencedor da licitação poderá explorar a área por 35 anos. A prefeitura receberá um percentual da receita líquida, a ser definida pela proposta vencedora.

O edital da PPP para a construção, contudo, permanece sob análise do Tribunal de Contas do Município, sem previsão para a liberação da disputa. O certame já foi adiado duas vezes em razão de pendências apontadas pela corte.

Alguns vereadores planejam criar outro empecilho para o projeto. A Câmara Municipal já aprovou em primeira votação a criação da APA (Área de Preservação Ambiental) da Floresta do Camboatá na área prevista para instalação do autódromo.

O projeto foi aprovado por 30 a 0 no primeiro turno. Uma audiência pública sobre o tema será realizada na sexta (10), exigência para o reconhecimento da APA pelo Sistema Nacional de Unidade de Conservação.

“Importante os cariocas perceberem que não é meia dúzia de árvores que a prefeitura quer cortar para fazer o autódromo. Eles querem destruir uma floresta em pleno processo de regeneração que precisa ser preservada”, disse o vereador Renato Cinco (PSOL), autor da proposta.

Bolsonaro minimizou a intenção dos vereadores. “Se o Exército não estivesse naquela área, com toda certeza ela já estaria invadida e com toda certeza depredada. O Exército preservou a região e, por ocasião desse projeto, a região será preservada”, disse ele.

O primeiro GP Brasil de F-1 foi realizado em 1972, em Interlagos. Nos anos 1980, a prova se mudou para o Rio de Janeiro, no autódromo de Jacarepaguá, onde ficou até 1989. No ano seguinte, voltou para Interlagos, circuito em que permanece até hoje.

Desde 2013, depois de Bernie Ecclestone, ex-chefão da categoria, ter manifestado má vontade de renovar com o GP Brasil, exigindo mudanças nos boxes e no paddock, o governo federal reservou R$ 160 milhões  para a prefeitura reformar Interlagos.

Os valores foram repassados por etapas. De 2014 a 2018, R$ 116,7 milhões foram usados em um edifício de apoio atrás dos boxes, em um centro operacional, na troca do pavimento e em uma atualização do pit lane. Outros R$ 43 milhões foram destinados para reforma e cobertura dos boxes.

O autódromo de Deodoro é uma promessa no Rio de Janeiro desde 2012, quando o autódromo de Jacarepaguá foi desmontado definitivamente para a construção do Parque Olímpico da Barra da Tijuca.

A Folha entrou em contato com a F-1, mas não obteve resposta até a publicação deste texto. A TV Globo, que tem contrato para transmitir as provas da categoria no Brasil até 2020, também não quis se manifestar sobre a possível mudança.

Colaborou Carlos Petrocillo

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.