Descrição de chapéu Campeonato Brasileiro

Ingresso mais barato dá ao Corinthians mais renda que o São Paulo

Time alvinegro reencontra o rival que lhe propiciou maior bilheteria

Luciano Trindade
São Paulo

O Corinthians reencontra o São Paulo neste domingo (26), às 19h, no Itaquerão, adversário que propiciou ao time alvinegro sua melhor bilheteria na temporada.

Na final do Paulista, 46.481 torcedores compareceram ao Itaquerão para ver o time conquistar o título com vitória por 2 a 1 sobre o time do Morumbi, resultando em uma renda bruta de R$ 5 milhões.

Comparado ao rival deste fim de semana, o clube do Parque São Jorge tem conseguido bons públicos graças a uma política de preços mais em conta.

Vagner Love comemora o gol da vitória do Corinthians sobre o São Paulo na final do Campeonato Paulista 2019
Vagner Love comemora o gol da vitória do Corinthians sobre o São Paulo na final do Campeonato Paulista 2019 - Nacho Doce/Reuters

Nas 17 partidas que o time alvinegro teve como mandante, os torcedores gastaram em média R$ 48 em ingressos. Já entre os são-paulinos, o gasto médio com entradas para o Morumbi foi de R$ 53.

Essa diferença, no entanto, não se reflete no faturamento dos dois clubes. Pelo contrário, é o Corinthians quem arrecada mais. Até o jogo deste domingo, o time alvinegro teve renda bruta média por partida de R$ 1.610.423 por jogo, contra R$ 1.430.806 dos são-paulinos.

A vantagem da equipe corintiana é levar mais público aos seus jogos. Enquanto o São Paulo tem média de 26 mil torcedores por jogo, cerca 33 mil costumam frequentar a arena em Itaquera.

“Para definir o preço dos ingressos, o Corinthians tem um sistema de inteligência desenvolvido com a IBM. Leva em consideração uma série de fatores, como dia, horário, adversário... Nós temos conseguido manter uma média muito boa, acima dos 30 mil, seja em jogo grande ou pequeno”, diz o diretor financeiro Matias Antonio Romano de Ávila.

O dirigente, porém, reconhece que houve jogos com um público aquém do esperado, como diante do Flamengo, pela Copa do Brasil. A partida, pelas oitavas de final, teve 30.364 torcedores. “Foi aquém, mesmo, mas pode acontecer quando se tem jogos grandes em sequência, fora o horário das 21h30.”

O duelo contra o time carioca registrou o sexto pior público do Corinthians no ano. Além disso, o tíquete médio foi o segundo mais caro cobrado pelo time alvinegro em 2019: R$ 66. Esse valor só fica abaixo do ingresso médio da final do Paulista: R$ 107.

Dono da quarta maior média de público da Séria A do Brasileiro, atrás de Flamengo, Corinthians e Palmeiras, respectivamente, o São Paulo tem um método semelhante ao dos corintianos para definir o preço de suas entradas.

Segundo o diretor financeiro Elias Barquete Albarello, o clube contratou uma empresa para estudar as variáveis que influenciam na precificação, como dia do jogo, horário e o campeonato em disputa.

“No ano passado, antes da Copa, nós estávamos com um tíquete médio muito baixo, cerca de R$ 20. A partir do segundo semestre, a gente contratou uma empresa, a Stadiumetric, que desenvolveu um modelo de precificação dinâmico.”

Dentro da dinâmica citada são incluídos estatísticas da própria equipe. “São analisados alguns fatores: a classificação no torneio, como está em termos de gols feitos e tomados, últimos resultados e o histórico contra o adversário”, conta. “Queremos agora incluir a previsão do tempo.”

De acordo com Albarello, o São Paulo espera fechar a temporada com um faturamento de, pelo menos, R$ 50 milhões com bilheteria. Até o momento, a renda brutal total do time foi de R$ 20 milhões.

Com três jogos a mais como mandante, o Corinthians faturou, até o momento, R$ 27,4 milhões. Esse valor, contudo, não vai para os cofres do clube e, sim, para o pagamento do financiamento  de sua arena.

Inaugurado em maio de 2014, o estádio corintiano receberá neste domingo pela primeira Alexandre Pato, jogador que pertenceu ao Corinthians entre 2013 e 2016, mas que nunca pisou no gramado da arena, pois esteve emprestado ao São Paulo entre 2014 e 2015, depois foi cedido ao Chelsea e não mais voltou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.