Com Messi é fácil, quero ver ganhar aqui, disse Lugano a Daniel Alves

Agora dirigente no São Paulo, ex-zagueiro negociou vinda do lateral

Toni Assis
São Paulo

Não convide Diego Lugano, 38, para sentar-se em frente à televisão e ver a partida final do Mundial de Clubes de 2005

"Nunca mais assisti àquele jogo. Acho que a bola vai entrar e eles vão empatar. Não consigo explicar", diz o ex-zagueiro e hoje dirigente são-paulino. 

No jogo guardado na memória do uruguaio, o São Paulo venceu o Liverpool por 1 a 0,  mas sofreu. Foram 17 finalizações do time inglês contra 4 são-paulinas, 17 escanteios ante zero, 49 cruzamentos versus 7.    

Vencer na dificuldade sempre foi um desafio que Lugano gostou de enfrentar na carreira de jogador. Ao se aposentar, aceitou outra tarefa no clube. Há mais de um ano como superintendente de relações institucionais, o ex-zagueiro foi ao ataque no último semestre. Foi ele quem iniciou as conversas com Daniel Alves e Juanfran para a dupla vestir a camisa do São Paulo. 

O ex-jogador Diego Lugano, atual superintendente de Relações Institucionais do São Paulo, fala de seus projetos enquanto toma chimarrão em sua casa
O ex-jogador Diego Lugano, atual superintendente de Relações Institucionais do São Paulo, fala de seus projetos enquanto toma chimarrão em sua casa - Eduardo Knapp/Folhapress

Diz ter jogado uma semente na cabeça do lateral e capitão da seleção brasileira ao provocar os brios de alguém que já acumula 40 títulos na carreira profissional. 

"É fácil ser campeão ao lado de Messi e Neymar. Quero ver se tem colhão mesmo de assumir a responsabilidade", provocou o agora dirigente. 

Como foi a sua participação na vinda de Daniel Alves?
Eu fui lá na França, conversei e joguei a semente nele. Isso foi uns três ou quatro meses antes de começar a Copa América. Depois foi o Raí. Eu sentia que o São Paulo ia precisar desse tipo de jogador. Primeiro, porque não tínhamos um lateral direito. E também pelo nível, a mentalidade. E ele ainda torcia para o São Paulo.

O que foi essa semente que você diz ter plantado?
Foi depois de um jogo do Paris Saint-Germain na França. Falei para o Daniel assumir o maior desafio da vida dele. Ele tem 40 títulos, é o maior da história, mas falta uma conquista. Você tem o desafio de ganhar um título na sua terra, disse para ele. O São Paulo é um time gigante que está com pressão e não consegue relaxar. E você pode ser essa figura. Ele aceitou.

Você esperava que ele pudesse trocar a estabilidade da Europa pelo São Paulo? 
Ele tem ​colhões, né? Eu desafiei ele. É fácil ser campeão ao lado de Messi e Neymar. Quero ver se pode assumir a responsabilidade. Quando chegou aqui, ele falou: viu que eu vim mesmo? Ele é um cara sensacional.

Qual a sua relação atual com os jogadores do São Paulo?
Meu relacionamento não é diário com os jogadores. Fui companheiro como atleta da maioria deles. Se tivesse um relacionamento direto com eles, eu teria que tomar decisões. Como não participo, não quero ficar influenciando muito. Mas procuro ajudar com a minha experiência. Procuro manter distância.

Mas pela sua história no clube, não seria o caso de ter uma participação maior com eles?
Aqui no São Paulo eu era conhecido por ser muito chato com algumas coisas. Eu achava que vestiário era para ficar só jogadores e o treinador. Por que mudar agora? Mas isso não quer dizer que eu não esteja pronto para ajudar. Só que eu espero que eles venham até mim. Eu nunca tomo a iniciativa. Mas muitos jogadores vêm pedir consulta. E são perguntas de todos os tipos, de emocional, do clube, do que está acontecendo.

Você vê diferenças na geração atual, comparado com a sua época de começo de carreira?
Totalmente diferente. Hoje é cheio de influencers, youtubers, informações digitais, fakenews. E não é só no futebol, a sociedade em geral. O futebol está inserido nisso. Hoje o jogador é uma empresa, tem assessor de imprensa, existem conselheiros para tudo. Isso é bom por um lado porque protege, mas muitas vezes o atleta também deixa de tomar decisões, ter uma participação ativa sobre a sua carreira. O jogador passa a ser um trabalhador, faz tudo com naturalidade e normalidade. Acho que o futebol não é só isso. Você tem que entregar a sua alma também. 

E qual a diferença do jogador brasileiro para o uruguaio? Lá você liderou um movimento dos atletas...
Fizemos um movimento que teve 100% de participação dos jogadores pelos nossos direitos. O Brasil já teve muitos movimentos de jogadores que querem o melhor, são pensadores, altruístas. Mas a dificuldade é que o Brasil é muito grande. Difícil unir os estados, as culturas são diferentes. Acho que o Brasil tem e sempre terá jogadores brilhantes em campo e com nível de comprometimento voltado para a categoria.

​​​​E o cenário político no Brasil. O que você acha?
Eu acompanho tudo. Moro a cinco quadras da avenida Paulista. Sempre que tem manifestação, tanto favorável ou contrária ao governo, eu vou. Coloco um chapéu, dou uma disfarçada e vejo o que está acontecendo. Gosto de saber a opinião das pessoas. Não vou dar a minha opinião porque para o São Paulo não é bom que eu fale sobre isso.

O que você pretende fazer no seu trabalho no São Paulo?
O São Paulo é uma marca muito forte, é um clube gigante. Na minha visão, não deveria ficar atrelado somente ao futebol. Poderia ir além, com cultura e outras coisas. Mas é uma utopia, pois todo o trabalho depende muito da bola entrar ou não entrar, do que acontece dentro de campo. Para você ter uma ideia, a foto que foi tirada da gente com o Daniel Alves na sua apresentação percorreu o mundo todo. E isso não é uma coisa fácil de conseguir. 

Mudando de assunto e falando da fase áurea de 2005, é verdade que você não consegue ver jogo da final do Mundial, a vitória contra o o Liverpool?
Nunca mais assisti àquele jogo. Eu fico muito nervoso. Acho que a bola vai entrar e eles vão empatar o jogo. Não consigo explicar. Talvez seja uma autodefesa. Prefiro celebrar o que a gente desfrutou do jogo. Foi um tempo muito bom. Um grupo muito unido e que sabia bem o que queria conquistar. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.