Corinthians repudia detenção de torcedor por protesto contra Bolsonaro

Clube declarou a ação da PM como 'um grave atentado às liberdades individuais'

São Paulo

O Corinthians repudiou a ação da Polícia Militar de deter um torcedor por protestos contra Jair Bolsonaro no clássico do último domingo (4) contra o Palmeiras, em Itaquera.

Em nota publicada no site oficial do clube, o Corinthians classifica o caso como "um grave atentado às liberdades individuais do Estado Democrático de Direito".

Torcedores do Corinthians no duelo contra o Flamengo, em Itaquera, pelo Campeonato Brasileiro
Torcedores do Corinthians no duelo contra o Flamengo, em Itaquera, pelo Campeonato Brasileiro - Amanda Perobelli/Reuters

O corintiano Rogério Lemes, 44, foi retirado pela Polícia Militar da arquibancada durante a execução do hino nacional, ainda antes do início da partida. Lemes gritou por mais de uma vez "ei, Bolsonaro, vai tomar no cu" e foi abordado pelos policiais, que o retiraram do setor.

O torcedor disse à ​Folha que foi agredido na condução ao posto do Juizado Especial Criminal (Jecrim) e que só pôde voltar à arquibancada a 10 minutos do final do jogo, que terminou empatado em 1 a 1, válido pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo disse que a retirada do corintiano foi "adotada para preservar a integridade física do torcedor, que proferia palavras contra o presidente da República, o que causou animosidade com outros torcedores, com potencial de gerar tumulto e violência generalizada".

Confira o comunicado do Corinthians na íntegra:

"A Arena e o Sport Club Corinthians Paulista vêm a público repudiar o episódio que resultou na detenção do torcedor Rogério Lemes Coelho durante o jogo ocorrido no último domingo (04) contra o Palmeiras na Arena Corinthians, após sua manifestação contra o Presidente da República. O clube historicamente reitera seu compromisso com a democracia e a defesa do direito constitucional de livre manifestação, desde que observados os princípios da civilidade e da não violência. A agremiação lembra que diferentes autoridades, entre elas o presidente do clube, já foram alvo de manifestações da torcida durante os mais variados eventos esportivos realizados no local e o episódio caracteriza-se como um grave atentado às liberdades individuais no Estado Democrático de Direito."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.