Tribunal suspende Felipe Melo por quatro partidas no Brasileiro

O jogador do Palmeiras foi julgado por expulsão no duelo com o Bahia

São Paulo

​Em julgamento realizado na manhã desta sexta-feira (23), o volante Felipe Melo recebeu suspensão de quatro partidas devido à expulsão no jogo contra o Bahia, na 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A decisão foi tomada por unanimidade pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva). Cabe recurso.

O meio-campista do Palmeiras foi enquadrado no artigo 254 A do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, que trata de "praticar agressão física." A pena máxima prevista neste caso poderia ser de 12 partidas. 

"A realidade do lance não é de agressão. Vamos buscar o recurso. O Felipe tem uma ficha muito boa, não é o que a gente vê na mídia. Se eu não conseguir o efeito suspensivo, não joga contra o Flamengo", disse o advogado do Palmeiras, Américo Espallargas, citando o próximo adversário da equipe no Nacional.

Se a decisão não for revertida, além de não encarar o Flamengo, Felipe Melo ficará fora das partidas contra Goiás e Fluminense, uma vez que ele já cumpriu a suspensão automática na última rodada, quando o time alviverde encarou o Grêmio. 

O volante foi punido com cartão vermelho nos acréscimos do primeiro tempo do jogo contra o Bahia, aos 48 minutos, quando acertou o atacante Lucca com o braço durante uma dividida. O árbitro Igor Junio Benevenutto expulsou o volante sem necessidade de conferir o lance no VAR.

O advogado do Palmeiras argumentou no STJD que se tratou de uma "jogada intensa" e que o movimento de Melo visava acertar a bola. O clube queria enquadrar a atitude do jogador no artigo 254, que fala sobre ação temerária, mas não teve sucesso.

Além de não atuar nas próximas rodadas do Campeonato Brasileiro, Felipe Melo também está fora do segundo jogo do time alviverde contra o Grêmio, pelas quartas de final da Libertadores, nesta terça-feira (27), no Pacaembu. No jogo de ida, ele recebeu dois cartões amarelos.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.