Odebrecht confirma acordo com o Corinthians por dívida da arena

Segunda a construtora, as partes definiriam os termos para a quitação do débito

Luciano Trindade
São Paulo

A Odebrecht afirmou nesta sexta-feira (13) ter chegado a um acordo com o Corinthians para a renegociação da dívida do clube com a empresa.

A ideia encaminhada pelas partes prevê que a construtora deixe o fundo. Assim, a dívida do financiamento feito pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) com aval da Caixa Econômica Federal, ficaria a cargo do Corinthians

Pelo não pagamento das parcelas desse financiamento, o clube paulista foi notificado pelo banco estatal, que executou a dívida. A execução, segundo a Caixa, é de R$ 536 milhões. Para o clube, o valor da dívida é R$ 470 milhões. 

"A Odebrecht confirma que assinou um memorando de entendimentos com o Sport Club Corinthians Paulista que define os termos para solucionar as dívidas do projeto Arena junto à Odebrecht Participações e Investimentos, empresa controlada pela Odebrecht S.A. Também foi assinado um termo entre a Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) e o Sport Club Corinthians Paulista, que resulta em quitação mútua entre as partes para a construção da Arena. Os termos destes acordos são protegidos por cláusula de confidencialidade”, nota da Odebrecht enviada à Folha.

Atualmente, a Odebrecht S.A. passa por recuperação judicial, o que faz com que o acordo dependa de aval do juiz responsável pelo processo.

O presidente Andrés Sanchez afirmou em entrevista coletiva que o acordo estava pronto e já com "firma reconhecida". O dirigente levou mostrou o documento aos jornalistas. 

Segundo o próprio presidente disse à Folha em agosto, tal acerto inclui o pagamento de R$ 160 milhões à Odebrecht e a transferência de uma dívida do estádio com a Caixa. Questionada, a empreiteira não respondeu sobre o valor e alegou que há contrato de confidencialidade entre as partes. 

Um percentual do pagamento dos R$ 160 milhões seria feito com o saldo das CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento) que o clube ainda dispõe. Ainda restam 1.692 certificados, num montante que pode chegar a R$ 110 milhões.

emissão de CIDs foi autorizada pela Prefeitura de São Paulo para ajudar na construção do estádio. O comprador recebe um desconto do fundo que administra o estádio, que pode usar o valor de face do documento (entre R$ 62 mil e R$ 70 mil) para quitar impostos municipais.

Antes, em julho, a Folha revelou que a empreiteira cobrava R$ 800 milhões do Corinthians. O valor havia sido informado por executivos da empresa a dirigentes do clube, que contestavam o valor, durante uma reunião.

A alegação dos corintianos era de que partes da obra prevista no orçamento inicial não haviam sido concluídas. O clube disse também que haveria repassado, pelo fundo que administra o estádio, cerca de R$ 380 milhões à Odebrecht por meio de CID's  (Certificado de Incentivo ao Desenvolvimento).

A Arena Corinthians é gerida por um fundo com três cotistas: o clube, a Odebrecht (por meio de sua subsidiária de participações e investimentos) e a Arena Itaquera S.A, cujos acionistas são a empreiteira e a BRL Trust, empresa de gestão de fundos.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.