Bayern quebra jejum e chega dominante à final da Champions contra PSG

Com 3 a 0 sobre o Lyon, bávaros goleiam pela sétima vez em dez jogos no torneio

São Paulo

Quando o Bayern de Munique venceu pela última vez a Champions League, Arjen Rooben era o seu jogador mais importante. O atacante das arrancadas da lateral para o meio fez o gol da vitória por 2 a 1 naquela final contra o Borussia Dortmund realizada em 2013, no estádio de Wembley.

Nesta quarta (19), o nome de Robben foi uma das tendências de citações no Twitter. Isso começou quando Serge Gnabry, 25, fez a jogada que era marca registrada do holandês, acertou chute no ângulo e foi decisivo para fazer o time chegar pela primeira vez depois de sete anos à final do torneio europeu.

Foi a tarde em que o Bayern ficou mais próximo de se reencontrar com glórias do passado.

A goleada por 3 a 0 sobre o Lyon (FRA) em Lisboa colocou os alemães na decisão contra o Paris Saint-Germain (FRA). A partida será domingo (23), às 16h (de Brasília), no Estádio da Luz, na capital portuguesa. O segundo gol também foi marcado por Gnabry, e Lewandowski fechou o placar.

Até deixar o Bayern, em 2019, em uma aposentadoria cancelada um ano depois, Robben tentou fazer a equipe voltar a ser a principal da Europa. Mas se o clube bávaro domina a Bundesliga, com oito títulos consecutivos, não conseguiu repetir o desempenho no continente. A semifinal se tornou seu maior pesadelo.

Entre a glória em Wembley e a vitória sobre o Lyon em Lisboa, foram cinco semifinais perdidas em seis Champions disputadas.

No período, o time apelou para técnicos considerados revolucionários (Pep Guardiola), vencedores pragmáticos (Carlo Ancelotti) e fez apostas (Niko Kovac).

Conseguiu voltar à final com Hans-Dieter Flick, 55, um meia de carreira discreta que fazia parte do elenco do Bayern na derrota para o Porto, em 1987, na final da então Copa da Europa, como era conhecida a Champions League. Ele foi colocado no cargo como solução emergencial e ganhou renovação de contrato por três anos.

Flick conseguiu unir o elenco, que não estava na liderança da liga alemã em novembro de 2019, quando assumiu. Deu-lhe um padrão de jogo e, tão importante quanto isso, voltou a colocar Thomas Muller como parte central do time. Com Kovac, o atacante havia se tornado peça tão periférica que o treinador disse publicamente que só o usaria como último recurso.

Jogadores do Bayern comemoram a classificação para a final da Champions League
Jogadores do Bayern comemoram a classificação para a final da Champions League - Franck Fife/AFP

Um dos maiores nomes da história do clube, Muller foi revelado pelo Bayern, nunca atuou por outra agremiação e é um dos três remanescentes dos titulares que estavam na decisão de 2013, ao lado do goleiro Neuer e do lateral e zagueiro Alaba.

Um possível título valeria como a introdução do nome de Flick entre os principais técnicos do planeta. Como auxiliar, ele estava na comissão da seleção alemã campeã mundial no Brasil em 2014.

O Bayern chega à final da Champions League com 100% de aproveitamento. Venceu todos os 10 jogos que disputou até agora. Anotou 42 gols (média de 4,2 a cada 90 minutos) e aplicou sete goleadas: duas no Estrela Vermelha (3 a 0 e 6 a 0), uma no Tottenham Hotspur (7 a 2), duas no Chelsea (3 a 0 e 4 a 1), uma no Barcelona (8 a 2) e o 3 a 0 no Lyon nesta quarta.

Em todos os jogos oficiais (válidos por competições) em 2020, obteve 24 vitórias e um empate.

O Bayern tem também um artilheiro para o qual chegar à final tem valor especial. Robert Lewandowski marcou 15 gols na competição e foi contratado logo depois da taça conquistada em 2013. Ele estava em campo na decisão em Wembley, mas com a camisa do Borussia Dortmund.

O polonês chegou para consolidar a condição do Bayern como time mais temido da Europa. Falhou na missão desde então e foi acusado de passar em branco nas partidas mais importantes.

A decisão do próximo domingo é a sua chance de calar ainda mais os críticos e vencer a Champions pela primeira vez. Seu nome aparece forte ao lado do de Neymar na disputa do prêmio de melhor jogador do mundo.

Poderá ser um título de enorme valor até para jogadores que não pertencem ao time bávaro, como o brasileiro Philippe Coutinho.

Seria a volta por cima para o meia que era considerado ídolo do Liverpool (ING), mas forçou a saída para o Barcelona no momento em que Jurgen Klopp dava os toques finais no time que conquistaria a Champions League do ano passado e a Premier League de 2020. Não deu certo para ele na Catalunha e acabou emprestado ao Bayern em agosto de 2019.

Estar na final da competição mais valorizada do mundo e talvez conquistá-la também têm suas vantagens financeiras. Se bater o PSG, o Bayern terá arrecadado nesta temporada da Champions League, somadas todas as premiações, 82 milhões de euros (R$ 535 milhões).

Não é pouco dinheiro, mas o clube obteve 660 milhões de euros (R$ 4,3 bilhões) em 2019. Foi considerado pelo levantamento da empresa de consultoria Deloitte o quarto mais rico do mundo. O título valeria mais pela glória de, enfim, voltar a estar no topo do futebol europeu.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.