Descrição de chapéu Copa Libertadores 2021

Santos relaxa, leva empate, mas se classifica para fase de grupos da Libertadores

Equipe paulista fica no 2 a 2 com o San Lorenzo e tenta repetir caminhada de 2020

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Finalista da Libertadores de 2020 quando poucos esperavam, o Santos garantiu sua classificação para a fase de grupos da nova edição do torneio continental. O empate em 2 a 2 nesta terça-feira (13), em Brasília, apenas confirmou o seu favoritismo diante do San Lorenzo depois do placar de 3 a 1 obtido na semana passada, em Buenos Aires.

Pará vê a bola de seu chute cruzado entrar no gol durante o segundo tempo contra o San Lorenzo
Pará vê a bola de seu chute cruzado entrar no gol durante o segundo tempo contra o San Lorenzo - Ueslei Marcelino/Reuters

Com um lateral direito (Pará) no lado esquerdo e outro ala (Felipe Jonatan) no meio-campo, a equipe brasileira não atuou tão bem quanto no jogo de ida da fase classificatória. Mas serviu para o técnico Ariel Holan fazer mais observações. Da mesma forma que aconteceu com Cuca em 2020, o argentino terá de se virar com as opções já existentes no elenco, que serão ainda mais jovens do que na temporada passada.

Os 11 titulares na final da última Libertadores, diante do Palmeiras, tinham média de idade de 25,1 anos. A escalação que entrou em campo em Brasília estava em 24,3. E no banco ainda havia Ângelo, 16, a grande esperança da vez na Vila Belmiro. Ou, como os santistas gostam de dizer, o “novo raio”.

A diferença de Holan para os seus antecessores é que disse desde o primeiro momento estar consciente das dificuldades financeiras da agremiação e de que não seriam feitas contrações. Elas não podem ser realizadas, além da falta de dinheiro, pela punição imposta pela Fifa porque a equipe brasileira tem dívida com o Huachipato (CHI) pela contratação de Soteldo.

A maior virtude do Santos de Holan foi vista nesta terça. Sempre propor o jogo e atacar quando o espaço aparecer. Mesmo com a vantagem no placar. Foi assim que surgiu o terceiro gol em Buenos Aires, anotado por Ângelo. O mesmo foi visto em Brasília, apesar dos erros defensivos.

Com a classificação garantida e com um a mais em campo (Rojas foi expulso por falta em Marinho), Pará deu um toque cruzado para anotar o segundo gol na etapa final. No primeiro tempo, Marcos Leonardo havia chutado quase sem ângulo para abrir o placar.

O passe para Marcos Leonardo, 17, anotar foi dado por Gabriel Pirani, 19, um garoto cada vez mais à vontade e mais dono da posição no meio-campo.

Com a vantagem, o time relaxou e permitiu que a formação argentina crescesse. Franco Di Santo, ex-Atlético-MG, de cabeça, e Ángel Romero, ex-Corinthians, marcaram para o San Lorenzo e evitaram a derrota. Nos 10 minutos finais, os argentinos poderiam ter virado a partida.

Classificado, o Santos estará em um grupo complicado, com Barcelona (EQU), Boca Juniors (ARG) e The Strongest (BOL). Classificam-se os dois primeiros. Nas partidas como visitante, terá de ir à Bombonera e fazer dois confrontos na altitude. Um em Quito (2.850 metros acima do nível do mar) e outro em La Paz (3.640 m).

No chavão do futebol, seria uma chave para ser encarada com um grupo de jogadores experientes, conhecedores da Libertadores. Segundo o jargão da bola, “cascudos”.

É uma visão que o Santos já mostrou não ser verdadeira com a final da temporada passada. O desafio de Holan será fazer essa caminhada novamente, apoiado, como aconteceu com Cuca, na juventude de garotos talentosos, nas jogadas de linha de fundo de Soteldo e nas finalizações de Marinho.

A grande questão será a diretoria manter os principais jogadores para que o técnico argentino consiga ir além do sucesso da equipe da temporada passada. Isso significaria ser campeão.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.