Descrição de chapéu Campeonato Paulista

Corinthians paga R$ 1,8 mi para Romero treinar, ouvir Carille e não jogar

Paraguaio estará nesta segunda (8) no Pacaembu, onde o time enfrentará o Santos

Luciano Trindade
São Paulo

Nesta segunda-feira (8), por volta das 18h30, Ángel Romero, 26, vai chegar ao Pacaembu com a delegação do Corinthians. Como faz antes de todos os jogos do time em São Paulo, irá ao vestiário, ouvirá a preleção do técnico Fábio Carille e, depois, subirá para uma tribuna e verá o jogo. 

É assim desde o início da atual temporada e será da mesma maneira contra o Santos, às 20h, pelo segundo jogo da semifinal do Campeonato Paulista.

O Corinthians, que venceu a primeira partida por 2 a 1, joga pelo empate. Se perder por um gol de diferença, a decisão irá para os pênaltis.

Peça importante nas conquistas recentes do time —dois Paulistas e dois Brasileiros—, o jogador paraguaio não foi inscrito no Estadual deste ano nem na Copa do Brasil. Ele só teria condições de atuar na Sul-Americana, o que não deve ocorrer.

Isso acontece por determinação da diretoria do clube, que informou a Carille que ele não poderia contar com o atacante enquanto o seu contrato, que termina em 14 de julho, não fosse renovado.

 Romero durante o treino no CT do Parque Ecológico
Romero durante o treino no CT do Parque Ecológico - Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians/Divulgação

Desde o ano passado, Romero e a diretoria corintiana não conseguem chegar a um consenso sobre os termos para a renovação do vínculo.

"Enquanto Romero não resolver as questões de contrato, vai ficar trabalhando à parte. É uma decisão da diretoria e eu acatei", disse Fábio Carille.

Com o paraguaio encostado, o Corinthians gastará até julho cerca de R$ 1,8 milhão, valor equivalente à soma dos vencimentos dele no período, por um atleta que não pode jogar.

"Nada a declarar [sobre isso]. É a lei, vamos seguir", disse o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, à Folha.

A obrigação de Romero é comparecer aos treinos, mas ele também vai aos jogos e participa das preleções porque quer. Já o clube o mantém treinando com o elenco para não configurar afastamento.

A primeira exigência da diretoria corintiana nas tratativas para renovar o acordo com Romero era fixar os vencimentos do atleta em reais. Embora receba na moeda brasileira, o contrato dele, assinado em 2014, foi fechado em dólar, o que faz os rendimentos oscilarem.

Romero recebe um valor correspondente a 80 mil dólares por mês (cerca R$ 310 mil). No ano passado, com a variação da moeda americana, chegou a ganhar R$ 400 mil em alguns meses. Por isso o Corinthians exige a mudança do contrato para corrigir o que diz ter sido um erro cometido em 2014.

Para aceitar esta condição, o jogador pede um substancial aumento, próximo ao teto do elenco, que é de R$ 450 mil, valor recebido somente por Cássio, Fagner e Jadson. A diretoria alvinegra rechaçou a pedida.

Segundo a Folha apurou, o clube ofereceu um salário próximo a 100 mil dólares mensais (atualmente cerca de R$ 390 mil), que seria estabelecido em reais, mas foi recusado pelo paraguaio.

Demonstrando impaciência com o assunto, o presidente corintiano, Andrés Sanchez, passou a ironizar sempre que é questionado sobre o tema. 

"O Romero, para falar a verdade, estamos há um ano tentando renovar com ele. E despacito (lentamente), despacito, despacito e despacito", afirmou o cartola em entrevista coletiva, no CT do Parque Ecológico.

"O Romero não quer renovar. É um direito dele. Não tem que chamar ele de mercenário, não tem que ficar bravo com ele, não tem que nada."

Com a proximidade do fim do vínculo do atacante, é improvável que o Corinthians receba uma proposta para negociá-lo. Pessoas ligadas à diretoria do clube também duvidam que o atacante volte a defender a equipe. Neste momento, ele já está livre para assinar um pré-contrato com outro time.

Romero é agenciado pela OTB Sports, que também cuida da carreira do peruano Guerrero e do lateral Zeca, ambos no Internacional, e de Gustavo Scarpa, do Palmeiras. Procurada pela reportagem, a empresa afirmou que não se pronunciaria sobre a situação do paraguaio.

Mesmo sem jogar, ele mantém a mesma rotina dos outros atletas no CT do Parque Ecológico. Romero participa dos treinos de Fábio Carille, mas costuma jogar sempre no time dos reservas ou atuar como um coringa para os dois times –neste trabalho tático, ele ajuda o time que estiver com a posse de bola.

Segundo a assessoria do time alvinegro, ele não perdeu nenhum treino este ano, com exceção ao período em que esteve com a seleção paraguaia no início de março.

Ele foi chamado pelo técnico Eduardo Berizzo para os amistosos contra Peru e México, mas não entrou em campo em nenhum dos jogos.

A última partida oficial de Romero foi o jogo entre Corinthians e Grêmio, no enceramento do Campeonato Brasileiro, em dezembro. Os corintianos perderam por 1 a 0, em Porto Alegre.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.