Descrição de chapéu Tóquio 2020

Relembre as medalhas da seleção de vôlei feminino em Olimpíadas

Prata nos Jogos de Tóquio é 5ª conquista das mulheres do Brasil na história olímpica da modalidade

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Josué Seixas
Maceió

Da primeira bola lançada ao ar à última que bateu em quadra, o Brasil tinha a mesma cor de medalha e precisava lutar para fazer valer a tradição. Desta vez, não deu certo. Estava garantida ao menos a prata, justamente contra os Estados Unidos, adversárias nas conquistas do ouro em Pequim-2008 e Londres-2012. Neste domingo (8), a derrota por 3 a 0 deu novos contornos à rivalidade.

A história do Brasil no vôlei de quadra feminino, no entanto, é de avanço. São cinco medalhas conquistadas em Olimpíadas —dois ouros (Pequim-2008 e Londres-2012), uma prata (Tóquio-2020) e dois bronzes (Atlanta-1996 e Sydney-2000). Foi em Atlanta-1996 que o país colocou-se na história dos Jogos, ao vencer a Rússia na disputa do 3º lugar, por 3 sets a 2, e ficar com o bronze, com um time liderado por Ana Moser e Fernanda Venturini.

Nas edições seguintes dos Jogos, a equipe já tinha desenhado o caminho para uma medalha e não se acanhou. Devolveu, inclusive, a derrota sofrida em Barcelona-1992, para os Estados Unidos. Em Sydney-2000, as americanas não tiveram chance e foram vencidas por 3 a 0, também na disputa do terceiro e quarto lugar.

Quatro anos depois, em Atenas, mais uma chance de bronze, desta vez contra Cuba. Não deu para o Brasil, que viu interrompida uma sequência de medalhas importantes e que impulsionaram o vôlei no país.

Em Pequim-2008, novamente os EUA estavam do outro lado da quadra, desta vez para a disputa da final contra o Brasil de Paula Pequeno, a melhor jogadora da competição, e nomes como Fofão, Walewska, Sheilla e Fabi, uma equipe que se estruturou justamente sob o comando do técnico José Roberto Guimarães.

O ouro veio num erro das americanas, quando Logan Tom mandou para fora e sacramentou o 25 a 21, fechando a partida em 3 sets a 1 a favor do Brasil.

Assim como tinha desenhado o caminho para o bronze durante as edições disputadas de 1992 a 2004, agora o Brasil sabia como chegar às decisões, como provou em Londres-2012. A orquestra de Paula Pequeno e Sheilla teve a mesma tranquilidade de quatro anos antes e, em nova final, bateu os Estados Unidos por 3 a 1.

Fernanda Garay fez parte do ciclo mais vitorioso do Brasil
Fernanda Garay tem um ouro e uma prata no currículo - Pilar Olivares/Reuters

No Rio de Janeiro foi interrompida a sequência de disputas de medalhas da seleção feminina de vôlei. Nas quartas de final, a derrota para a China por 3 sets a 2 quebrou a expectativa de comemorar um título junto à própria torcida.

Em Tóquio, tudo aconteceu de forma atípica. O vôlei de praia foi eliminado antes de ter chances de medalha, tanto no masculino quanto no feminino, e o vôlei masculino derrotado no confronto pelo bronze. Restou às mulheres da quadra serem as medalhistas.

Com a prata, o Brasil fecha a participação nas Olimpíadas de Tóquio com 21 medalhas, sendo 7 de ouro, 6 de prata e 8 de bronze.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.