Livraria e editora infantis de Londres se dedicam à diversidade

Livreira diz que crianças se sentem em casa e quer organizar clube do livro

Marina Navarro Lins
Londres

A vitrine vai direto ao ponto: a ilustração de um grupo de amigos com cores de pele distintas e roupas coloridas cobre parte do vidro ao lado do nome do novo lançamento, “Este Livro É Antirracista: 20 Lições para Acordar, Tomar uma Atitude e Fazer Algo”, de Tiffany Jewell. 

As demais capas em destaque mostram crianças negras e asiáticas resolvendo mistérios e desbravando o espaço. A proposta da livraria infantil Round Table Books, em Brixton, no sul de Londres, é dar espaço para obras com personagens de grupos minoritários no Reino Unido.

Vitrine de livraria vista da rua. Tem faixa branca com nome Round Table Books escrito em vermelho. Paredes da fachada azuis. Ambiente iluminado em tom amarelo dentro, com livros e outros artigos pendurados e organizados em prateleiras.
Vitrine da livraria Round Table Books, em Londres - Marina Navarro Lins/Folhapress - 08.jan.2020

A ideia nasceu da frustração dos editores Aimeé Felone e David Stevens com a indústria, que não se mostrava aberta às mudanças que eles sugeriam. Em 2017, os dois deixaram seus cargos na importante editora Scholastic para lançar o selo independente Knights Of, com o objetivo de solucionar o problema da falta de representatividade nos livros infantis.

A ONG Centre for Literacy in Primary Education, voltada à alfabetização, publicou uma pesquisa mostrando que, dos 9.115 livros infantis lançados no Reino Unido em 2017, apenas 1% tinha personagens principais de grupos minoritários. O estudo virou o tema da primeira festa de aniversário da editora: a loja temporária #ReadTheOnePercent (leia o 1%). Após uma campanha de financiamento coletivo, a Round Table Books abriu as portas em maio de 2019.

“A livraria nasceu da necessidade de dar espaço a livros infantis com personagens de grupos étnicos diferentes, com deficiência, de classes sociais pouco representadas, ou que falem sobre sexualidade e gênero”, diz Felone. 

“Pessoas que se viram representadas desde pequenas às vezes não entendem a importância deste conceito. Elas sempre conseguiram se imaginar virando o médico, o príncipe ou o astronauta. Mas é importante que todos cresçam acreditando nessas possibilidades”, completa ela.

A livreira India Chambers já perdeu a conta de quantas crianças entraram na loja e, ao observarem as capas, gritaram: “nossa, parece comigo!”. Brixton é um bairro conhecido por ser multiétnico, com uma enorme comunidade afro-caribenha.

“As crianças vêm aqui e se sentem em casa. Sentam e nos contam as histórias que leram. Queremos em breve fazer um clube do livro. Mas os adultos também gostam, temos uma prateleira para eles. Os pais são os que mais se emocionam ao verem seus filhos interessados na leitura”, diz Chambers.

A Round Table Books já vendeu mais de 5 mil livros e a Knights Of tem dez em seu catálogo. Os nomes das duas empresas fazem referência à lenda do rei Arthur, na qual os cavaleiros sentam-se ao redor de uma távola redonda para mostrar igualdade entre eles. 

O objetivo dos editores, porém, não é só reunir leitores de minorias. Eles querem que os livros alcancem todos os públicos, desenvolvendo empatia entre grupos diferentes. As obras da editora são vendidas em grandes livrarias no Reino Unido e na Irlanda, e algumas já foram traduzidas para o mandarim e alemão. 

E o português? “Se alguma editora tiver interesse, por que não?”, diz Felone.

A fama da “livraria inclusiva” nas redes sociais transformou a Round Table Books em atração turística. Ela fica dentro do Brixton Village, um mercado repleto de restaurantes caribenhos e latinos, além de armazéns e lojas de artesanato —uma das paradas obrigatórias para quem visita o bairro. 

“As pessoas saem de seus caminhos para ver a livraria e, quando chegam aqui, comentam como esperavam que a loja fosse maior. Acho que sentem como é importante que exista esse espaço, oferecendo esse tipo de conteúdo, e acreditam que deveria ter vários andares”, diz ​Stevens.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.