Descrição de chapéu

Em cartaz no In-Edit, filme resgata fracasso de 'Woodstock brasileiro'

Documentário conta a história de evento que quase levou Nelson Motta à falência em 1976

Nelson Motta, que teve a ideia de realizar Som, Sol e Surf em Saquarema, no Rio - Folhapress
André Barcinski

Som, Sol & Surf - Saquarema

  • Quando Nesta terça (12), às 19h30
  • Onde Em cartaz na mostra In-Edit Brasil, no Matilha Cultural
  • Preço Grátis
  • Produção Brasil, 2018
  • Direção Hélio Pitanga

Se festivais de rock ao ar livre já aconteciam nos EUA desde os anos 1960, com Monterey (1967) e Woodstock (1969), no Brasil da ditadura militar a moda demorou a chegar.

Houve o primeiro festival de Águas Claras, em 1975, e no ano seguinte Nelson Motta teve a ideia de realizar um evento na pacata cidade praiana de Saquarema, no Rio.

Batizado de Som, Sol e Surf, o festival reuniu grandes nomes do pop-rock brasileiro da época, como Raul Seixas, Rita Lee & Tutti Frutti, Vímana (banda que reunia Ritchie, Lulu Santos e Lobão) e Made in Brazil, e artistas que despontavam, como Angela Ro Ro. Os shows aconteceram simultaneamente a uma competição de surfe com os maiores surfistas brasileiros do período.

Os planos de Motta eram ambiciosos: ele queria aproveitar o festival para gravar um disco e fazer um documentário, como em Woodstock. Mas não foi o que aconteceu: o completo amadorismo da produção, aliada a uma forte tempestade, praticamente inviabilizaram o evento.

Uma parte do muro caiu, o público invadiu o local, e a primeira noite de shows foi cancelada. A equipe que fazia o filme do festival trabalhou em condições precárias. O filme e o disco nunca saíram, e Nelson Motta quase faliu. Por mais de quatro décadas, a maioria do material filmado permaneceu inédita. Até agora.

O diretor Hélio Pitanga e o produtor Denis Feijão contaram com a ajuda de Hernani Heffner, conservador-chefe da Cinemateca do MAM carioca, e restauraram o material, que é absolutamente extraordinário: temos Rita Lee, no auge da beleza e sex appeal; e Raul Seixas comandando a massa numa versão de "Sociedade Alternativa"; e um surpreendente Ronaldo Resedá em fase roqueira, interpretando o clássico "Be Bop a Lula".

Pitanga misturou esse material a depoimentos de pessoas que trabalharam ou que estiveram no festival, e fez um bonito e informativo relato sobre um evento marcante da cultura pop brasileira. Entre os entrevistados estão Nelson Motta, Angela Ro Ro, Lobão, Liminha, o crítico musical Tárik de Souza, Jom Tob Azulay e outros.

É divertido ver o depoimento do então prefeito de Saquarema, contando como a invasão daquela turma "prafrentex" de hippies e surfistas mudou a rotina do lugar.

O festival de Nelson Motta foi um retumbante fracasso comercial, mas é uma espécie de símbolo de uma época de idealismo, paixão e amadorismo do pop brasileiro, que o filme de Hélio Pitanga agora resgata.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.