Descrição de chapéu

Encantador, 'Christopher Robin' se desenrola no ritmo de um conto aconchegante

História do amigo humano inseparável do ursinho Pooh tem doses equilibradas de realidade e fantasia

Marina Galeano

Christopher Robin - Um Reencontro Inesquecível (Christopher Robin)

  • Quando Estreia nesta quinta (16)
  • Classificação Livre
  • Elenco Ewan McGregor, Hayley Atwell, Bronte Carmichael
  • Produção EUA, 2018
  • Direção Marc Forster

Veja salas e horários de exibição

Virar gente grande não é fácil. Que o diga Christopher, amigo humano inseparável do ursinho Pooh. Depois de uma infância colorida e repleta de aventuras no Bosque dos Cem Acres, o garoto come o pão que o diabo amassou no novo filme da Disney.

Internato. Morte do pai. Convocação para a guerra. Rotina massacrante numa fábrica de malas. Falta de tempo com a família. Não há alegria que resista a tanto desconsolo em "Christopher Robin - Um Reencontro Inesquecível".

Desbotado como muitos dias da vida adulta, o longa-metragem dirigido por Marc Forster —de "Em Busca da Terra do Nunca" (2004), "O Caçador de Pipas" (2007) e "Guerra Mundial Z" (2013)— incorpora um tom meio sombrio, coisa rara nas produções vibrantes e graciosas do estúdio.

 

A começar pelos bonecos. Com cara de bichos de pelúcia surrados, os personagens criados pelo escritor inglês Alan Alexander Milne ganham contornos nostálgicos e melancólicos nesse live action (interpretado por atores) que tem jeitão de película antiga.

O comedimento de cores e de meiguice também se traduz numa trama mais densa e madura, que conversa com públicos de todas as idades.

Aos pequenos, está reservado o humor doce e ingênuo do urso amarelo (voz original de Jim Cummings) e de sua turma. Pooh, Ió (Bisonho), Leitão, Tigrão e companhia se encarregam de dar leveza à atmosfera carrancuda que paira sobre a história.

Já os adultos devem se reconhecer nos dilemas de Christopher Robin (Ewan McGregor), um homem engolido pelo trabalho, negligente com a mulher (Hayley Atwell) e com a filha (Bronte Carmichael), cujas lembranças felizes da época de criança ficaram trancafiadas em algum baú inacessível da memória.

E aí entra o tal reencontro inesquecível do título em português. Passados muitos anos, Pooh surge do nada em um jardim de Londres para ajudar o amigo a redescobrir os verdadeiros valores da vida.

Não deixa de ser uma jornada batida e previsível sobre amizade, família, resgate à infância, amor etc. Mas o entorno se apresenta tão cativante que compensa qualquer clichê. Realidade e fantasia em doses equilibradas.

A fotografia e a computação gráfica impecáveis completam o cenário no qual personagens cheios de camadas nos relembram que, apesar da névoa, "Christopher Robin" tem o selo da Disney.

Um filme encantador, alheio ao excesso de barulho e de ação, que se desenrola sem pressa, no ritmo de um conto aconchegante para ser ouvido antes de dormir, no quentinho das cobertas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.