Itália quer renegociar empréstimo de obras de Leonardo da Vinci ao Louvre

'Leonardo é italiano, ele só morreu na França', disse subsecretária de patrimônio cultural

São Paulo | AFP

A Itália quer renegociar o contrato de empréstimo de todas as pinturas de Leonardo da Vinci para o Louvre em 2019, para uma exposição que marcará os 500 anos da morte do artista.

A subsecretária de patrimônio cultural, Lucia Borgonzoni, do partido de direita nacionalista Liga, declarou no Corriere della Sera que os termos do acordo assinado pelo ex-ministro da Cultura, Dario Franceschini, eram "inconcebíveis".

"Leonardo é italiano, ele só morreu na França", disse sobre o artista nascido na Itália em 1452 e morto na França em 1519.

"Emprestar essas pinturas ao Louvre deixaria a Itália à margem de um grande evento cultural", acrescentou.

Em 2017, a Itália se comprometeu a emprestar todas as pinturas de Da Vinci ao Louvre para uma exposição programada para 2019.

"Temos que renegociar tudo. Quando a autonomia dos museus está em jogo, o interesse nacional não pode ficar em segundo lugar. Os franceses não podem ter tudo", afirmou.

O acordo entre os dois países também prevê que o Louvre emprestará as obras de Rafael ao estábulo do Quirinale para uma exposição em 2020.
 

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do que o título dizia, a Mona Lisa não corre o risco de sair do Louvre. A informação foi corrigida.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.