Descrição de chapéu

'Longa Jornada Noite Adentro' revive cinema como experiência sensorial

Diretor chinês Bi Gan usa 3D em tomada sem cortes e demonstra inquietação criativa em seu segundo longa

Cássio Starling Carlos

Longa Jornada Noite Adentro (Di Qiu Zui Hou De Ye Wan)

  • Quando Estreia nesta quinta (9)
  • Classificação 12 anos
  • Elenco Jue Huang, Wei Tang, Sylvia Chang, Hong-Chi Lee
  • Produção China, França, 2018
  • Direção Bi Gan

Veja salas e horários de exibição

A exibição de "Longa Jornada Noite Adentro", segundo longa do diretor chinês Bi Gan, na mostra Um Certo Olhar do Festival de Cannes de 2018 fortaleceu a impressão geral de que o cinema asiático é que mantém acesa a chama da inquietação criativa, enquanto a produção autoral do Ocidente substituiu o apelo da inventividade pela segurança do prestígio.

O estimulante trabalho de Bi Gan, no entanto, vem recebendo destaque mais por causa da introdução, a meio caminho da narrativa, do 3D numa tomada sem cortes de tirar o fôlego e que dura metade do filme. Embora a maestria de sua execução de fato impressione, o espectador cético pode indagar: para que tanto virtuosismo?

Desde a primeira sequência, uma voz masculina nos introduz de modo hipnótico num ambiente de clube noturno, onde predomina o estímulo sensorial. Seu comentário em forma de devaneio compara a impressão extracorpórea que temos nos sonhos à aparência palpável das memórias.

As imagens, por sua vez, contrastam o suor e a umidade nos corpos de um casal à pulsação etérea de um néon que aparece na janela.

Saturação sensorial e rarefação narrativa se combinam à medida que o filme avança, oferecendo um mergulho semelhante ao da embriaguez e das drogas. A lentidão dos movimentos e a beleza calculada dos planos podem parecer excessivos, mas logo somos tomados pela articulação das cenas em torno de sutilezas, pelo avanço da história por meio de conexões tênues.

Sobre o que é o filme? Um homem retorna a sua cidade natal após a morte do pai e ao encontrar uma antiga foto parte em busca de uma mulher que um dia amou.

Parece pouco, senão banal, mas condensa dois movimentos, a busca no tempo e o percurso no espaço, que o diretor explora na forma de viagem cinematográfica.

Como nos filmes de Antonioni e de Resnais, mestres exploradores do espaço e do tempo, "Longa Jornada Noite Adentro" não progride numa linha reta.

O cinema oferece a esses criadores as condições de fugir da norma ao demonstrar como passado e presente se contaminam, como os lugares se sobrepõem como camadas ou adquirem uma fluidez que só percebemos nos sonhos.

O diálogo com estes dois ícones do cinema moderno é apenas uma das muitas referências evidentes no filme, mas o longa não se reduz à evocação de formas cultuadas.

Mais fascinante é o modo como Bi Gan recupera o cinema como uma experiência que ultrapassa o prazer da narrativa, escapando do modelo hegemônico atual, da história bem contada recheada com reviravoltinhas.

Por isso, a sensorialidade vai além da beleza narcotizante, pois tem a capacidade de nos devolver outras percepções.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.