Descrição de chapéu
Cinema

'Thelma & Louise' francês brinca com 'empoderamento'

Comédia ácida, 'Mulheres Armadas, Homens na Lata' trata de rebeldia, revolta e desobediência

Cássio Starling Carlos

Mulheres Armadas, Homens na Lata

  • Quando Estreia nesta quinta (8)
  • Classificação 16 anos
  • Elenco Cécile de France, Yolande Moreau, Audrey Lamy
  • Direção Allan Mauduit

Thelma e Louise saltaram o abismo e ressurgem como trio. Podemos simplificar assim a proposta de “Mulheres Armadas, Homens na Lata”. O rocambolesco título brasileiro é só uma “tradução” ruim do original “Rebelles” (Rebeldes), mais enxuto e direto ao ponto. Pois é de rebeldia, de revolta e de desobediência que esta comédia ácida trata.

A sátira, muito bem executada pelo diretor Allan Mauduit, arranca a palavra de ordem “empoderamento” de suas representações até agora comportadas e brinca com a ausência de limites. Seu alvo é o público feminino, mas o tanto que valoriza a insurreição dá ao filme um alcance político maior.

O trio é composto por Nadine e Marilyn, operárias numa fábrica de atum enlatado, e Sandra, ex-miss local 2005 que arruma um emprego ali, depois de gastar sua beleza como manequim ou dançarina de boate. Duas imagens contrastadas de mulher, a feia e a bonita, se reúnem no mesmo espaço como exemplos da exploração.

A roliça Yollande Moreau, a espevitada Audrey Lamy e a sereia Cécile de France assumem os papeis do Carlitos de “Tempos Modernos” em uma versão atualizada da dura vida operária.

Lá, Carlitos era condenado a apertar parafusos. Aqui, as protagonistas selecionam atuns em meio à longa fila de proletárias. Na saída do trabalho, todas são revistadas por uma patrulha que reprime as que tentam roubar comida.

O realismo social tão presente no cinema francês adquire desse modo outra carga crítica, quando o potencial anárquico do humor ativa a bomba que implode a ordem.

Os homens, obviamente, ocupam os lugares de poder, são todos abusadores, exploradores, pilantras e assassinos. Estão reduzidos à caricatura, claro, mas o humor funciona assim.

As peripécias cômicas são escrachadas ou mesmo escatológicas e esta grosseria às vezes explode na cara, como nos antigos pastelões, produzindo mais de um efeito inusitado.

As gags são em grande parte físicas, o que permite às ótimas Moreau e Lamy alternarem máscaras e gestuais extravagantes e intensificarem o ritmo da graça.

Inofensivo na aparência, agressivo na medida certa, “Mulheres Armadas, Homens na Lata” não nos salva da tragédia, mas libera a risada.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.